Azul reduz frequência de voos internacionais

Queda da demanda por passagens e o aumento dos custos devido à alta do dólar foram citados pela empresa

São Paulo | Reuters

 A companhia aérea Azul reduziu as frequências de voos internacionais para a Flórida (EUA) e para Porto (Portugal), em meio aos desdobramentos da epidemia do coronavírus, disse nesta terça-feira o presidente-executivo da companhia, John Rodgerson.

Embora não tenha citado números, Rodgerson afirmou que o ajuste tem impacto irrelevante nas operações da companhia, dado que apenas 12 dos mais de 900 voos diários operados pela Azul são internacionais.

"Estamos reduzindo frequências para a Flórida e para Porto", disse Rodgerson à Reuters, citando a queda da demanda por passagens e o aumento dos custos devido à alta do dólar.

Embraer entregou primeira unidade do jato E195-E2, maior avião comercial projetado e construído no Brasil
Apenas 12 dos mais de 900 voos diários operados pela Azul são internacionais - Guilherme Magalhães-12.set.19/Folhapress

De acordo com Rodgerson, as operações domésticas "estão controladas" e não houve reduções de frequências por conta do coronavírus. O executivo alertou, porém, que devido a questões sazonais e também à alta do dólar, a empresa pode reduzir algumas frequências domésticas no segundo trimestre.

"Nossa maior preocupação no momento é a alta do dólar", disse em entrevista por telefone.

Já o fundador, principal acionista e presidente do conselho de administração da Azul, David Neeleman, afirmou na conversa que o mercado de aviação tende a se estabilizar nos próximos meses à medida que as pessoas entendam melhor a dimensão dos riscos do coronavírus.

"As pessoas logo vão se dar conta de que a dengue é muito pior", disse Neeleman.

"Eu peguei 10 voos nos últimos 12 dias, não tive problema nenhum", acrescentou, citando expectativa de que a disseminação da doença tenda a sumir por volta de maio, quando as temperaturas começarem a subir no Hemisfério Norte.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.