Descrição de chapéu The Wall Street Journal

BC dos EUA aumenta financiamento de curto prazo para conter pânico no mercado

Financiamento para recompra no overnight vai subir de US$ 100 bi para US$ 150 bi ao dia, até a quinta-feira

Nick Timiraos
Londres | The Wall Street Journal

O Federal Reserve (banco central amerincano) de Nova York anunciou na segunda-feira (9) que elevaria o montante dos empréstimos de curtíssimo prazo que oferece aos mercados monetários, em meio à queda generalizada do mercado.

O Fed vem reduzindo lentamente seus empréstimos em um importante mercado de financiamento de curto prazo para acordos de recompras (conhecidos como “repo”, em inglês), sob os quais o banco central empresta dinheiro no overnight ou por duas semanas, aceitando títulos do governo ou títulos lastreados por hipotecas como caução.

O Federal Reserve em Washington, Estados Unidos - Leah Millis/Reuters

O anúncio desta segunda, no entanto, reflete de que forma as dificuldades de financiamento derivadas da epidemia cada vez mais grave do coronavírus e a demanda ampliada por empréstimos de curto prazo proíbem qualquer redução nos empréstimos “repo”, por enquanto.

Os ajustes desta segunda foram concebidos para garantir que a oferta de depósitos bancários detidos pelo Fed, conhecidos como reservas, “continue ampla, e para mitigar o risco de pressão no mercado monetário que possa afetar de maneira adversa a implementação de políticas”, anunciou o Fed de Nova York. “Isso deve ajudar no funcionamento tranquilo dos mercados de financiamento, à medida que os participantes do mercado implementam planos de resiliência em resposta ao coronavírus”.

O Fed de Nova York anunciou que elevaria de US$ 100 bilhões a US$ 150 bilhões o volume de empréstimos “repo” que conduz no overnight, até a quinta-feira (12), quando o Fed deve atualizar seu cronograma mensal de financiamento.

Em dois dias da semana passada, o Fed viu a demanda por operações “repo” no overnight superar o limite de US$ 100 bilhões, embora as taxas não tenham subido significativamente.

O banco central também anunciou que elevaria de US$ 20 bilhões a US$ 45 bilhões o valor de duas operações de “repo” separadas com contratos de duas semanas, que devem ocorrer esta semana.

Somados, os aumentos permitirão que o Fed ofereça até US$ 285 bilhões em empréstimos “repo” até o final da semana, ante US$ 180 bilhões que ofereceria sob os limites anteriores. O Fed tinha US$ 179,6 bilhões de empréstimos “repo” em circulação na sexta-feira.

A demanda por transações “repo” cresceu este mês em meio à volatilidade do mercado e incerteza sobre o desordenamento econômico causado pela epidemia do coronavírus. Os empréstimos “repo” vinham em firme queda antes da volatilidade recente, com os empréstimos do Fed em circulação caindo a US$ 126,2 bilhões, seu total mais baixo em cinco meses, no dia 28 de fevereiro.

O Fed começou a intervir nos mercados “repo” em setembro, depois que dificuldades de financiamento apontaram para uma escassez de depósitos bancários, ou seja, reservas, retidos no banco central, o que causou disparada nas taxas de “repo” e por um breve momento tirou a taxa de juros de referência do banco central de sua faixa de flutuação.

O Fed elevou os valores dessas transações, até o final do ano, a fim de impedir que obstáculos regulatórios relacionados ao fim do ano agravassem o desgaste.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.