Bolsa brasileira tem o pior desempenho no mundo com crise do coronavírus

Segundo Goldman Sachs, queda do Ibovespa em 2020 é pior do que a média das últimas crises

São Paulo

Segundo o banco americano Goldman Sachs, a Bolsa brasileira tem a maior desvalorização dentre os maiores mercados acionários do mundo com a crise do coronavírus. De 17 de janeiro a 20 de março, o Ibovespa em dólares se desvalorizou 52%, aponta relatório do banco divulgado nesta segunda-feira (23).

O segundo pior desempenho é da Indonésia, com queda de quase 50%. África do Sul e Rússia vêm em seguida, com quedas de cerca de 45%. Chile tem o quinto pior desempenho, caindo pouco mais de 40% no período.

Estados Unidos e Europa têm umas das menores quedas, com creca de 30% de desvalorização cada.

Em reais, a desvalorização do Ibovespa no período foi de 42,5%. No acumulado do ano, há queda de 42%.

De acordo com o Goldman Sachs, a forte desvalorização do mercado brasileiro neste ano supera a média de crises anteriores.

"Com a severidade do recente sell-off [venda rápida de ativos], o valuation [avaliação de valor] das ações brasileiras foram de uma das mais caras dentre emergentes para quase que um desvio padrão abaixo da média histórica", diz o relatório.

Com a queda, o Ibovespa, assim como as principais Bolsas do mundo, entrou em "bear market" (mercado do urso, numa tradução livre). Entre analistas, a figura do urso é uma alusão ao movimento do mercado que derruba o preço dos ativos –ao contrário do touro "bull market", símbolo de Wall Street, que lança os preços para cima.

Uma Bolsa entra em bear market quando cai 20% abaixo do seu recorde recente.

Segundo o Goldman, este é o pior bear market desde a crise de 2008, quando a Bolsa brasileira caiu 70% em dólares entre maio e novembro de 2008.

O banco afirma que um dos catalisadores de uma queda mais expressiva pode ser a forte presença de estrangeiros no país antes do sell-off. Em 2020, eles saíram em velocidade e em volume recorde da Bolsa brasileira. Até 19 de março, são R$ 59 bilhões a menos de investimento estrangeiro no mercado de ações brasileiro.

O relatório também destaca o desempenho do real, que tem a quarta maior desvalorização no mundo no período, atrás apenas do peso mexicano, rublo russo e coroa norueguesa.

Neste ano, o real perde 28% de seu valor ante o dólar, que ficou R$ 1,12 mais caro, cotado a R$ 5,136.

"Ainda estamos intensamente focados nos riscos globais de queda, mas para investidores de longo prazo que buscam valor, acreditamos que os movimentos de ações e câmbio no Brasil parecem exagerados", diz o Goldman.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.