Descrição de chapéu

Brasil ainda está mais pobre do que na década passada

Queda do PIB per capita é maior da história

São Paulo

O Brasil ainda está mais pobre do que na década passada. Por causa de recessão ou economia estagnada faz meia dúzia de anos, o PIB per capita ainda é 7,4% menor que o de 2013, antes do início da grande crise. É como se tivéssemos ficado com a mesma renda desde 2009. É mais do que uma década perdida.

O PIB per capita é simplesmente o valor do PIB dividido pela população —uma média. O PIB é o valor da produção ou da renda do país em um ano. De outra perspectiva, grosso modo, o PIB per capita indica quanto há de rendimento do trabalho e de lucros do capital para distribuir.

A economia brasileira tem tanto para distribuir quanto tinha em 2009. Não aumentou a renda disponível para pagar mais salário desde então, uma tragédia, embora o presidente da República faça piada sobre o assunto. Para piorar, a desigualdade aumentou, embora o PIB não diga nada sobre esse assunto, iniquidade de rendimentos.

Dadas as atuais perspectivas, o PIB per capita voltaria ao nível anterior ao da recessão, a 2013, apenas em 2024. O que são essas perspectivas? As projeções de crescimento brasileiro calculadas por cerca de uma centena de economistas do setor privado, compiladas semanalmente pelo Banco Central e publicadas no Boletim Focus: as ditas estimativas “do mercado”.

No entanto, o Brasil deve crescer menos em 2020 do que vinha sendo previsto até agora. O desempenho mais fraco da economia na virada do ano e o impacto do coronavírus devem fazer com que o PIB cresça em torno de 1,6% neste ano, segundo as primeiras revisões de estimativa. A projeção publicada no Focus era de crescimento de 2,2% até a semana passada. O crescimento fraco na virada do ano e o impacto coronavírus vão derrubar os ânimos.

Como o PIB cresceu apenas 1,1% em 2019,  caso o Brasil cresça mesmo 1,6% neste 2020, a média de crescimento do primeiro biênio sob o governo de Jair Bolsonaro deve ser praticamente a mesma do biênio de governo integral de Michel Temer (2017-2018).

O Brasil jamais teve seis anos tão ruins de crescimento (na verdade, decréscimo) do PIB per capita, desde que se tem registro, desde que há estatísticas de PIB (1901). A regressão de 2013 para 2019 foi, como se escreveu acima, de 7,4%. Na meia dúzia de anos contadas até 1992, foi de 7,38%, na prática a mesma degradação.

Em 1992, o presidente Fernando Collor foi deposto em processo de impeachment e a economia vinha de uma recessão causada por mais um plano fracassado de controle da inflação (além de padecer dos efeitos da hiperinflação do final dos anos de José Sarney, 1985-1990).

A queda no triênio de grande recessão de 1981-1983 foi maior que entre 2014 e 2016. Mas houve uma recuperação rápida do crescimento em 1985 e 1986.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.