Brasil já tinha estagnado desde o governo Temer, diz Guedes sobre PIB

A economia brasileira cresceu 1,1% em 2019, menos da metade do projetado por analistas no início do ano

São Paulo e Rio de Janeiro

"O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil já tinha estagnado desde o governo de Michel Temer.

“A grande verdade é que, quando o governo Bolsonaro chegou, o crescimento do PIB, que tinha sido de 1,3% no primeiro trimestre do governo Temer, já tinha caído para 0,7% no primeiro trimestre do governo Bolsonaro. O Brasil já tinha praticamente estagnado”, afirmou Guedes nesta quinta-feira (5) durante evento na Fiesp, em São Paulo.

Segundo o ministro, a tragédia de Brumadinho e o colapso da Argentina, que impactou 60% das importações de veículos do Brasil, foram os principais fatores para essa desaceleração no crescimento econômico no ano passado.

Paulo Guedes, ministro da Economia, diz que a tragédia de Brumadinho e o colapso da Argentina prejudicaram o crescimento do país - Adriano Machado/Reuters

“Se pegar o segundo trimestre, sobe para 0,9%, no terceiro, já é 1,2%, e o último trimestre do ano passado, dá 1,7%. A economia que estava crescendo 0,7% [no primeiro trimestre] foi reacelerando, e terminou [o ano] já rodando a quase 2%”, afirmou.

Guedes disse ainda que sua expectativa sempre foi crescer 1% no primeiro ano.

“Eu usava a imagem de uma baleia arpoada. Vamos tirando os arpões: baixamos os juros, corrigimos a Previdência Social, reduzindo endividamento bola de neve, começamos o choque da energia barata, estamos desestatizando o mercado de crédito, fizemos a cessão onerosa, vamos mandar a reforma administrativa para a Câmara. Com as reformas seguindo, o Brasil já cresce 2% pelo menos”, disse.

O ministro também disse que é preciso levar em conta o que ele chamou de "margem de erro" do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), responsável pelo PIB.

"É importante perceber que a primeira estimativa feita em março de 2018 foi 1%. Em setembro, o IBGE reviu para 1,3%. A primeira estimativa em 2019 também foi 1,1% e, depois, revista para 1,3%. Então, o que saiu foi uma primeira estimativa. Se o IBGE mantiver a margem de erro de 30%, que ele mantém todo ano, quem sabe vai subir para 1,4%", disse Guedes.

A declaração de Guedes foi criticada pela Assibge, o sindicato que reúne os servidores do instituto. "Não há problema em criticar. O problema é desqualificar o trabalho e chamar de erro o que é revisão", disse Dione Oliveira, da Executiva Nacional da entidade.

Ela ressalta que não é a primeira vez que o governo questiona pesquisas econômicas. Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a taxa de desemprego não reflete a realidade, ao considerar apenas quem está buscando ocupação.

Na época, o IBGE respondeu que a Pnad Contínua, que mede o desemprego no país, segue metodologia internacional recomendada pela OIT (Organização Internacional do Trabalho).

"Faz parte de uma estratégia desse governo para desqualificar instituições que produzem conhecimento", rebateu Oliveira. "Assim, quebra-se a possibilidade de qualquer um, pelas estatísticas públicas, monitorar as politicas do governo." 

O IBGE ainda não se manifestou sobre a afirmação feita nesta quinta pelo ministro da Economia. A presidente do instituto, Susana Cordeiro Guerra, foi indicada ao cargo pelo próprio Guedes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.