Com coronavírus, rombo nas contas do governo será de ao menos R$ 224 bilhões

Bolsonaro pede ao Congresso para gastar R$ 120 bilhões além do previsto no orçamento

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro solicitou ao Congresso o reconhecimento do estado de calamidade pública no país para que possa gastar cerca de R$ 120 bilhões neste ano e, assim, conter os estragos causados pelo coronavírus.

A cifra é uma estimativa inicial feita por integrantes do governo a congressistas, que terão de decidir se aprovam a calamidade pública até o final de 2020, única forma de impedir que o aumento dos gastos públicos prejudique o cumprimento da meta de déficit fiscal, definida em R$ 124,1 bilhão.

Com isso, o rombo nas contas públicas será de, no mínimo, R$ 224,1 bilhões neste ano.

O presidente Jair Bolsonaro usa máscara durante entrevista à imprensa nesta quarta-feira (18)
O presidente Jair Bolsonaro durante entrevista à imprensa nesta quarta-feira (18) - Folhapress

Nos bastidores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) considera aprovar o estado de calamidade desde que seja criado um comitê com integrantes de todos os Poderes e auditores do TCU (Tribunal de Contas da União).

Sem aval do Congresso para a calamidade pública, assessores do governo consideram que a meta fiscal de déficit deste ano será descumprida.

A projeção preliminar de R$ 120 bilhões em gastos é equiparável ao pacote anunciado pela equipe econômica nesta terça-feira (17) com medidas que preveem R$ 147 bilhões. No entanto, esses recursos já estavam previstos no Orçamento e foram, em sua grande maioria, remanejados.

A flexibilização das regras impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal também foi discutida pelo Tribunal de Contas da União (TCU) que, nesta quarta-feira (18), aprovou por unanimidade uma representação feita por Marcelo Guaranys, secretário-executivo do Ministério da Economia.

BPC

No pleito, o secretário reclamou da aprovação pelo Congresso de um gasto permanente com novos Benefícios de Prestação Continuada (BPCs) que, se concedidos, custarão R$ 217 bilhões em dez anos.

Segundo Guaranys, não há, neste momento, espaço fiscal no Orçamento para o pagamento.

O plenário do TCU decidiu que caberá ao Executivo e ao Legislativo encontrar uma forma de equacionar essa despesa e que, a calamidade pública, não eximirá o governo de, neste caso, cumprir as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Por isso, o tribunal decidiu que, da forma como foi aprovado pelos parlamentares, o gasto não pode ser efetuado porque não há no Orçamento deste ano previsão de receitas para cobrir essa despesa.

Durante o julgamento pelo plenário, o relator do processo, o ministro Bruno Dantas, informou ter recebido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), um comunicado afirmando que haverá negociação entre os Poderes para que a medida aprovada seja implementada dentro dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.