Descrição de chapéu
Coronavírus

Em fuga histórica de investidores, Brasil está entre os mais afetados

Investidores não residentes tiraram US$ 10 bilhões (R$ 50 bilhões) desde 21 de janeiro

São Paulo

A crise financeira provocada pelo coronavírus levou a uma saída recorde de dinheiro de investidores internacionais dos países emergentes.

A fuga para ativos seguros ou para cobrir perdas em outras praças vem superando, e muito, a debandada de dez anos atrás, no desastre global da Grande Recessão, e em outras crises importantes.

O Brasil é um dos países de onde os investidores não residentes mais tiraram dinheiro: US$ 10 bilhões (R$ 50 bilhões) desde 21 de janeiro. As saídas têm sido contínuas e crescentes desde então, só um pouco atrás de Taiwan (US$ 10,9 bilhões) e Coreia (US$ 10,3 bilhões.)

Na América Latina, a Colômbia quase não sofreu retiradas e o México perdeu menos de US$ 1,7 bilhão, segundo atualização do Institute of Internacional Finance (IIF, a Febraban mundial).

A consequência direta desse movimento no Brasil e demais países tem sido a desvalorização acentuada de suas moedas, pois os investidores geralmente tiram seus recursos dos países em dólares.

O IIF prevê uma contínua pressão sobre as contas externas e reservas em moeda estrangeira dos emergentes.

No Brasil, as intervenções do Banco Central no mercado de câmbio têm sido quase que diárias. Mesmo assim, a moeda subiu de R$ 4,21 para R$ 5 (20%) desde 21 de janeiro, refletindo essas retiradas.

A previsão é que muitos emergentes terão de conviver durante um período longo à frente com déficits crescentes em conta-corrente devido a fluxos menores para eles tanto de investimentos de curto prazo, como os dirigidos às Bolsa de Valores, quanto os produtivos.

Resultado das transações comerciais de um país com o resto do mundo –sobretudo de exportações e importações–, déficits elevados tendem a manter o dólar em alta, o que pressiona empresas endividadas em moeda estrangeira e, eventualmente, a inflação.

Ao contrário do que ocorreu após os piores meses da Grande Recessão, o Brasil desta vez pode demorar bem mais tempo para se recuperar dos efeitos da Covid-19 e voltar a atrair investidores.

Em 2010, no ano seguinte ao pior da crise da década passada, o Brasil cresceu 7,5% e mantinha as contas públicas em ordem.

Neste ano, se conseguir repetir algo próximo ao patamar de 1% de alta do PIB dos últimos três anos, já terá sido uma boa notícia.

O Brasil também não tem hoje, como havia em 2010, espaço no Orçamento público para gastar muito e enfrentar a crise sem comprometer a trajetória da dívida pública, já perto de 80% do PIB –eram 55% há dez anos.

Nos últimos anos, apesar do crescimento medíocre, o Brasil ainda atraía investidores por dois motivos: 1) pagava juros reais (acima da inflação) maiores na comparação com outros países e 2) se beneficiou da alta liquidez internacional, que aumentou o apetite por risco.

Agora, com um diferencial de juros menor e o trauma recente, a tendência dos investidores é buscar segurança –algo em falta no Brasil.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.