Descrição de chapéu
Sergio Firpo

Por que salvar vidas ou a economia na crise do coronavírus é um falso dilema

Alguns pontos parecem importantes para ajudar a esclarecer se de fato temos um dilema tão claro

Sergio Firpo

O presidente da República foi neste domingo, dia 29 de março, a um comércio popular nas cercanias de Brasília. Segundo ele, foi ouvir o povo sobre os problemas do Brasil para poder agir.

É ótimo que o nosso governante ouça o povo. Contudo, seria recomendável que ouvisse também os especialistas, sobretudo os epidemiologistas, para decidir sobre a política pública em meio à pandemia do coronavírus.

Aparentemente, há um dilema entre salvar vidas ou a economia. A política de confinamento poderá levar o país a uma profunda recessão, a qual gerará aumento do desemprego, da pobreza e da fome. Teme-se (mas não há evidências) que o custo social da recessão possa ser maior do que se abandonássemos imediatamente qualquer forma de distanciamento social e nos expuséssemos ao vírus.

O presidente Jair Bolsonaro durante anúncio de medidas econômicas para tentar conter a crise do coronavírus, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira - 27.mar.2020/Folhapress

Com confinamento, vidas são salvas ‘achatando-se a curva’, ou seja, reduzindo-se a velocidade do contágio. Com isso, diminui-se a pressão imediata sobre o sistema hospitalar e ganha-se tempo para produção de respiradores, testes diagnósticos para a Covid-19, desenvolvimento de terapias profiláticas e ampliação do número de leitos de UTI.

Logo, parece haver uma escolha. Poupamos vidas agora, mas as perdemos num futuro não tão distante pelos efeitos deletérios sobre a saúde que o desemprego em massa, a redução abrupta na renda das famílias, no faturamento das empresas e na arrecadação de impostos do governo podem gerar. Ou voltamos ao que supomos ser a nova vida normal, em que a diferença para a antiga é que agora a grande maioria volta ao trabalho usual, mas morrem outros tantos.

Alguns pontos parecem importantes para ajudar a esclarecer se de fato temos um dilema tão claro. Listo quatro pontos que julgo serem relevantes.

Primeiro, segundo estudo de epidemiologistas da Imperial College London (Ferguson et al. 2020), a letalidade da Covid-19 no Brasil deve variar entre 44 mil e mais de 1,1 milhão de vidas até outubro de 2020. A menor letalidade ocorrerá se adotarmos uma estratégia de quarentena rigorosíssima (supressão precoce), enquanto a maior ocorrerá caso não façamos nada para deter a epidemia.

Segundo, caso adotássemos uma estratégia permissiva de enfrentamento da doença, a incerteza sobre contaminação estaria sempre presente. Se o risco de contágio permanecer alto, pais não deixarão seus filhos voltarem à escola, trabalhadores se ausentarão de seus postos de trabalho e empresários enfrentarão a insegurança jurídica e o dilema ético de sua decisão de retomar a produção pondo em risco a vida de seus colaboradores. Seria quase impossível voltar à vida normal, especialmente se as mortes alcançarem as centenas diariamente.

Terceiro, mesmo que conseguíssemos voltar à normalidade, nossa rede hospitalar entraria em colapso, ceifando vidas produtivas de trabalhadores, que teriam sido salvas caso conseguíssemos retardar a velocidade da contaminação. As vidas levadas precoce e desnecessariamente teriam impacto negativo sobre o crescimento da renda, pois perderíamos o investimento feito em educação e a experiência acumulada no mercado de trabalho ao longo dos anos desses trabalhadores.

Cálculos de pesquisadores da Universidade de Chicago (Greenstone e Nigam, 2020) baseados nas projeções epidemiológicas da equipe do Imperial College London mostram que, para os Estados Unidos, se nada fosse feito, as mortes em excesso, mesmo quando comparadas a medidas mais brandas de contenção, como o isolamento vertical, gerariam perdas de longo prazo equivalentes a pelo menos um terço do PIB (Produto Interno Bruto) anual.

Quarto, o desemprego e a perda de renda decorrentes do confinamento serão tão mais relevantes quanto mais omisso for o governo. Caso consigamos ser ágeis e criativos para a expansão de nossa rede de proteção social e aumento de sua efetividade, reduziremos drasticamente o efeito negativo que a queda da atividade econômica terá sobre nosso bem-estar.

Cabe a nós decidirmos como enfrentaremos a epidemia do covid-19. Como disse o presidente no seu passeio dominical: “Vamos enfrentar como homem, pô, não como moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade.”

A realidade está na nossa frente. Os adultos, homens e mulheres, preferem a opinião de especialistas em vez dos palpites de “moleques”, para usar o termo presidencial. Por qualquer dimensão que se queira olhar, a econômica ou a da saúde, só temos uma opção: seguir com isolamento, poupando vidas e recursos produtivos, mas garantindo a subsistência e o mínimo de bem estar da população enquanto perdurar a pandemia.

Sergio Firpo

Professor de economia do Insper

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.