Diretor financeiro da BB Seguridade assume presidência interina do IRB

Maior resseguradora do país enfrenta questionamentos após fundo de Warren Buffett negar participação

São Paulo

O IRB Brasil RE (Instituto de Resseguros do Brasil) anunciou na noite desta quarta-feira (4) que o então presidente, José Carlos Cardoso, e Fernando Passos, diretor financeiro, renunciaram aos cargos.

Werner Süffert, que já foi membro do Conselho de Administração do IRB e que ocupava o cargo de diretor-financeiro na BB Seguridade, assumirá o lugar de Passos e ocupará interinamente a presidência da companhia até a chegada de um novo executivo.

Süffert já renunciou ao posto que ocupava no BB Seguridade.

Cardoso e Passos estavam no centro de questionamentos sobre supostas declarações falsas sobre planos de investimentos da empresa do megainvestidor Warren Buffett na empresa.

O IRB já perdeu mais de R$ 24 bilhões em valor de mercado desde o início de uma crise de reputação, em fevereiro, que também tem como pano de fundo questionamentos a balanços da instituição e a renúncia do presidente do conselho.

Com o ciclo de alta da Bolsa e a saída do governo federal da empresa, o IRB se valorizou mais de 200% entre 2017 e 2019 - Diego Padgurschi-9.mai.15/Folhapress

Em 2 de fevereiro, a Squadra Investimentos apontou para supostos erros contábeis nas demonstrações financeiras da companhia; haveria indícios de que os lucros normalizados (recorrentes) foram significativamente inferiores aos reportados.

O IRB negou e chegou a fazer, em 10 de fevereiro, teleconferência extraordinária para prestar esclarecimentos, mas investidores não ficaram satisfeitos. Na semana passada, o jornal O Estado de S. Paulo publicou que a Berkshire Hathaway, empresa do megainvestidor Warren Buffett, havia praticamente triplicado a fatia de ações que detinha da resseguradora.

Nesta quarta, porém, a companhia americana afirmou que "não é atualmente acionista do IRB, nunca foi uma acionista do IRB e não tem intenção de ser acionista do IRB", o que fez as ações desabarem mais de 40%.

Em comunicado ao mercado, a IRB afirmou que o conselho de administração determinou a instalação de um procedimento para identificar as circunstâncias exatas da divulgação de informações, pela companhia, relativas à sua base acionária.

"Mais informações a respeito serão divulgadas ao mercado no momento oportuno", afirmou a empresa.

Em nota, Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal e membro do conselho do IRB, e que ocupa interinamente a presidência do conselho de administração da resseguradora, disse que Werner "será fundamental para a boa relação do IRB Brasil com os acionistas e mercados em geral”.

“Sua extensa experiência no setor de seguros será fundamental para a sequência da companhia, que trilha o caminho da solidez e dos bons resultados”, afirmou.

Além da informação do jornal o Estado de S. Paulo, José Carlos Cardoso e Fernando Passos, afirmaram à XP Investimentos que havia uma aproximação da empresa com a Berkshire Hathaway.

A conversa entre IRB e XP fez parte de uma rodada de esclarecimentos a analistas após a renúncia de Ivan de Souza Monteiro da presidência do conselho de administração da resseguradora nesta segunda (2).

Segundo ata do conselho, foram problemas de saúde que o levaram a se desligar da companhia.

O analista Eduardo Guimarães, da gestora Levante Ideias, critica a falta de transparência do IRB. "Desde o início, toda a resposta da companhia foi ruim."

Na teleconferência de resultados, em 19 de fevereiro, as respostas sobre os temas levantados pela Squadra "não foram satisfatórias", afirma. 

Ante os acontecimentos, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) abriu quatro processos para investigar as supostas falhas apontadas pela Squadra e a saída de Ivan Monteiro do conselho.

Do lado operacional de seguros, no entanto, o segmento segue despreocupado —o IRB está entre os maiores resseguradores do mundo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.