Descrição de chapéu Coronavírus

Presidente do Itaú diz que coronavírus demanda rever operação para reduzir contato entre pessoas

Para Candido Bracher, funcionamento do banco será adaptado a necessidades e possibilidades de cada momento

São Paulo

O presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, afirmou nesta quarta-feira (18) que as ações para reduzir a velocidade de transmissão da Covid-19 passam pela adaptação do funcionamento do banco às necessidades e possibilidades de cada momento, o que inclui rever toda a operação da instituição para reduzir o contato entre as pessoas.

“Durante todo o processo, estaremos ao lado dos nossos clientes, ouvindo o que precisam e trabalhando para atendê-los da melhor forma possível, de modo a que todos possamos superar esta crise e dar continuidade às nossas atividades”, afirma o presidente do Itaú Unibanco em nota.

Segundo Candido Bracher, o mais importante neste momento é reduzir a velocidade de transmissão da doença, de modo a evitar o esgotamento dos sistemas público e privado de saúde.

“Para isso, a principal medida a ser adotada é a restrição da circulação e do contato entre as pessoas. Essa restrição, no entanto, acarreta impactos profundos na economia, uma vez que parte preponderante da atividade econômica pressupõe que as pessoas se movimentem e se encontrem”, diz o executivo.

“Como maior banco privado do Brasil, cabe-nos trabalhar para atenuar os efeitos desta situação e, ao mesmo tempo, contribuir para o restabelecimento da normalidade no menor espaço de tempo possível. Com este intuito, temos direcionado esforços para garantir que o Itaú Unibanco continue funcionando com segurança, atendendo aos seus clientes e cumprindo sua função econômica e social. Isso corresponde a garantir a segurança financeira e operacional do próprio banco e o bem-estar dos nossos colaboradores, o que implica, por exemplo, revermos toda a nossa operação para reduzir o contato entre as pessoas.”

Veja a íntegra da nota

Posicionamento Candido Bracher I Itaú Unibanco

“O mundo atravessa um momento de grave crise, cuja natureza não tem precedentes nos últimos cem anos e cujas consequências sociais e econômicas já afetam a vida de todos, pessoas e empresas. Em meio a tantas incertezas, sabemos que o mais importante neste momento é reduzir a velocidade de transmissão da COVID-19, de modo a evitar o esgotamento dos sistemas público e privado de saúde. Para isso, a principal medida a ser adotada é a restrição da circulação e do contato entre as pessoas. Essa restrição, no entanto, acarreta impactos profundos na economia, uma vez que parte preponderante da atividade econômica pressupõe que as pessoas se movimentem e se encontrem.

Como maior banco privado do Brasil, cabe-nos trabalhar para atenuar os efeitos desta situação e, ao mesmo tempo, contribuir para o restabelecimento da normalidade no menor espaço de tempo possível. Com este intuito, temos direcionado esforços para garantir que o Itaú Unibanco continue funcionando com segurança, atendendo aos seus clientes e cumprindo sua função econômica e social. Isso corresponde a garantir a segurança financeira e operacional do próprio banco e o bem-estar dos nossos colaboradores, o que implica, por exemplo, revermos toda a nossa operação para reduzir o contato entre as pessoas.

O enfrentamento deste desafio se dá por meio do acompanhamento permanente da evolução da crise, adaptando o funcionamento do banco às necessidades e possibilidades de cada momento. Trata-se de um processo que envolve a alta liderança do banco, incluindo o Comitê Executivo, que realiza reuniões diárias de acompanhamento e gestão. A capacidade de nos adaptarmos a cada nova etapa da crise faz toda a diferença, especialmente porque sua duração é incerta, assim como o é a energia necessária para sua superação.

Durante todo o processo, estaremos ao lado dos nossos clientes, ouvindo o que precisam e trabalhando para atendê-los da melhor forma possível, de modo a que todos possamos superar esta crise e dar continuidade às nossas atividades. ” – Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.