Após questionamentos contábeis, ações da XP têm forte queda em NY

Questionamento foi levantado por advocacia; papéis caíram 13%

Reuters

As ações da XP Inc. fecharam em queda de mais de 13% em Nova York nesta sexta-feira, a US$ 30,99, no menor valor desde o IPO da empresa em dezembro passado. Na mínima da sessão, chegaram a US$ 30,24.

Na tarde desta sexta-feira (6), circulou entre profissionais do mercado financeiro anúncio de escritório de advocacia dos EUA, citando um relatório sobre a XP que levantava questões sobre a precisão das divulgações contábeis da plataforma de investimentos.

O fundador da XP, Guilherme Benchimol, posa atrás da bancada da Nasdaq segurando uma bandeira do Brasil no alto. Atrás, o logo da XP Inc. aparece escrito em um fundo azul escuro
Guilherme Benchimol, um dos fundadores da XP Investimentos, na estreia da XP Inc. (nome do Grupo XP Investimentos desde setembro de 2019) na Nasdaq, Bolsa de tecnologia de Nova York - Matheus Detoni/Divulgação

Procurada a XP não pôde comentar o assunto de imediato.

Em trechos compartilhados no Twitter, Nick Winkler, da empresa especializada em análise financeira forense The Winkler Group, afirma que a companhia estava "short" (vendida) em XP após descobrir o que chamou de irregularidade contábeis, divulgações financeiras inadequadas e discrepância de auditoria.

O escritório de advocacia Block & Leviton publicou anúncio para interessados em abrir processo contra a XP citando o relatório. Também o Rosen Law publicou anúncio similar.

O IPO da XP foi precificado a US$ 27 por papel em dezembro de 2019, com as ações disparando na estreia na Nasdaq e fechando o primeiro pregão a US$ 34,46. Na máxima intradia desde então, chegaram a US$ 43,52, alcançando um valor de mercado de mais de R$ 100 bilhões.

Outro lado

Em nota, a XP afirmou que teve acesso aos comunicados divulgados pelos escritórios de advocacia americanos que atuam no mercado de ações coletivas (o chamado class action) e que estão investigando a corretora.

"Infelizmente, no mercado americano, comunicados desta natureza, envolvendo companhias abertas, são extremamente comuns. Observamos que tal empresa de investimento não é uma empresa de análise (equity research) e, como se não bastasse, trata-se de investidor que afirma estar com posição vendida em ações da XP Inc.", afirmou a corretora, em nota.

Segundo a XP, o relatório contém diversos erros e possui pontos que são imateriais ou irrelevantes. "Não temos conhecimento de qualquer investigação ou processo contra a XP Inc., seja no Brasil ou no exterior, com base nas alegações contidas em referido comunicado", disse a corretora.

"Durante o processo recente de IPO, a XP Inc. passou pelo escrutínio de quatro escritórios de advocacia reconhecidos mundialmente e duas das maiores firmas de auditoria do mercado. Além disso, diversos investidores insitucionais de classe mundial auditaram a companhia de todas as formas possíveis, inclusive por meio de processo próprio de diligência legal e/ou contábil. A XP reforça seu total compromisso de transparência com seus clientes e investidores", afirmou a corretora, em nota.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.