Descrição de chapéu Folhainvest Coronavírus

Apesar de baratas, não é hora de comprar ações, afirmam analistas

Risco é que ações caiam mais diante das incertezas da pandemia de Covid-19

São Paulo

A máxima de aproveitar a queda do Ibovespa para comprar ações baratas foi deixada de lado nas últimas semanas por analistas do mercado com a piora nas estimativas do impacto econômico da pandemia do coronavírus.

Sem conseguir vislumbrar o tamanho da crise e, muito menos, o fim dela, especialistas apontam que ações se tornam ainda mais arriscadas.

“Parece que está tudo barato, assumindo que é uma crise passageira. O problema é que temos uma dúvida muito grande sobre o que vai acontecer”, Fernando Siqueira, gestor da Infinity Asset

No momento, o mercado segue outra máxima: “é bom comprar barato, mas não é bom comprar na baixa”. Especialistas recomendam a compra só quando análise técnica apontar tendência de alta. E a cada nova análise, piora o cenário futuro. “O investidor tem que ficar cauteloso e não tomar risco agora”, diz Erminio Lucci, presidente da corretora BGC Liquidez.

As previsões para o PIB brasileiro são revisadas para baixo e já apontam uma recessão tão ruim quanto a de 2015-2016.

Painel na Bolsa de Valores de Nova York - Michael Nagle/Xinhua

“Em 2015, se esperava uma recuperação rápida que nunca aconteceu. Por isso que, agora, o prêmio está grande. O risco é grande”, diz Siqueira. Prêmio é o lucro futuro esperado na compra da ação, considerando que ela se valorize.

O alto risco do mercado levou muitas ações a mínimas históricas e, caso o cenário se reverta, elas têm um potencial de lucro muito alto.

Para avaliar o preço de uma ação, investidores levam em conta diversos fatores intrínsecos a cada empresa e setor, como resultados, governança, concorrência e o cenário macroeconômico em uma análise fundamentalista, ou seja, dos fundamentos da empresa.

Um dos mecanismos mais usados é a relação preço/lucro. Ele mostra quantos anos seriam necessários para o investimento em determinada ação se pagar pela distribuição anual de lucros da empresa, via dividendos, bônus ou juro sobre capital próprio.

No cálculo, divide-se o preço do papel pelo lucro projetado pelo mercado (P/L). Quanto menor o P/L, mais barato o papel.

“Avaliar está difícil porque, hoje, a projeção futura de lucro é incerta. O PL do Ibovespa está em 9. Em 2008, ele chegou perto de 7. Se nos recuperarmos esse ano, está tudo barato. Se levarmos mais tempo, ainda não está”, diz Siqueira.

Na mesma lógica, se calcula o P/VP, ou seja, o preço da ação dividido pelo valor patrimonial por papel. Ele indica o quanto o investidor ganharia caso o patrimônio líquido da empresa fosse distribuído entre acionistas, como em casos de falência. Quanto menor o P/VP, mais barato a ação.

“Geralmente, o P/VP é maior que 1, mas, agora, esse cálculo de muitas empresas está abaixo. O valor patrimonial pode cair com o tempo e elas podem não conseguir vender seus ativos nesse momento de crise”, explica Eduardo Belotti, presidente da Real Valor.

É o caso da Petrobras, com P/PV de 0,6 e P/L de 5. Apesar de estar relativamente barata pela métrica, a estatal esbarra em outro critério, o endividamento. Ao fim de 2019, a dívida líquida da Petrobras era de US$ 78,8 bilhões (R$ 420 bilhões), dez vezes superior ao lucro líquido recorde do mesmo ano.

“Se empresa está barata e está muito endividada, a dívida corrói o lucro”, diz Belotti. Também é preciso avaliar o caixa da empresa e ponderar se há necessidade de contrair dívidas para sobreviver à crise.

“O ideal é o investidor ficar de fora do mercado. Se não conseguir, uma boa são empresas de utilidade pública, como saúde e bens de consumo essenciais, coisas que as pessoa consomem com ou sem crise”, diz Lucci, da BGC.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.