Argentina posterga pagamento de US$ 10 bilhões em dívidas devido à pandemia

Medida foi tomada via decreto; dívidas interna e externa somam 97% do PIB do país

Buenos Aires

O governo argentino decidiu nesta segunda-feira (6), por decreto, postergar o pagamento de até US$ 10 bilhões da dívida emitida segundo a legislação local, que venciam neste ano, para 2021.

Por ter sido decidido de modo unilateral, pode ser definido como um default técnico. "Essa decisão estava contemplada no processo de reestruturação decidido pelo governo", disse o ministro da economia, Martín Guzmán.

"Isso constitui um passo que faz parte de nossa intenção de fazer com que os pagamentos sejam feitos de modo sustentável", afirmou.

Desde que assumiu, em 10 de dezembro do ano passado, o governo de Alberto Fernández deu a missão a Guzmán, de renegociar e pedir adiamentos a vários vencimentos das dívidas que a Argentina têm.

O presidente argentino Alberto Fernández; medida foi tomada por decreto
O presidente argentino Alberto Fernández; medida foi tomada por decreto - Martín Zabala/Xinhua

As dívidas interna e externa somam 97% do PIB do país. Espera-se que, nos próximos dias, saia alguma decisão também com relação às dívidas adquiridas sob legislação estrangeira com vencimento neste ano e que somam US$ 3,3 bilhões.

Guzmán afirmou que este valor e este prazo seriam negociados.

Em declarações anteriores, o ministro afirmou que a negociação era o instrumento preferido por ele, mas que, em casos em que não fosse possível, se usaria um "plano B", ou seja, anunciar o adiamento unilateral dos pagamentos, uma vez que o governo vem necessitando de dinheiro para destinar aos efeitos do novo coronavírus.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.