Câmara aprova projeto que amplia auxílio de R$ 600; pais solteiros receberão R$ 1.200

Deputados barraram dispositivo que ampliava BPC

Brasília

A Câmara aprovou nesta quinta-feira (16) o projeto que amplia a concessão do auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais, incluindo a possibilidade de pagamento de R$ 1.200 a pais solteiros.

Os deputados, no entanto, barraram dispositivos aprovados no Senado, entre eles um que ampliava o BPC (benefício para idosos e deficientes carentes).

O texto-base foi aprovado em votação simbólica.

Presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM - RJ)
Presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM - RJ); Câmara barrou a ampliação do BPC (benefício para idosos e deficientes carentes) - Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Como houve mudanças em relação ao projeto do Senado, a proposta volta para apreciação dos senadores. A seguir, vai a sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O projeto altera trechos da lei que regulamenta o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais e detalha categorias e grupos que podem receber o benefício, como pescadores artesanais, agricultores familiares, quilombolas e catadores de materiais recicláveis, além de taxistas e motoristas de aplicativos, entre outras.

Segundo o texto aprovado nesta quinta, cada família terá direito a duas cotas do benefício. Se for mais vantajoso, o auxílio substituirá, temporariamente, o Bolsa Família. A família pode acumular um Bolsa Família e um auxílio ou optar por receber as duas cotas do auxílio.

Mães adolescentes também terão acesso à ajuda.

A lei sancionada por Bolsonaro limitava a mães solteiras a possibilidade de receber duas cotas do auxílio. O texto aprovado nesta quinta pela Câmara amplia o benefício para pais chefes de família, que poderão receber R$ 1.200.

Também permite que bancos públicos possam contratar fintechs (empresas de tecnologia do setor financeiro) para fazer o pagamento do benefícios. O texto proíbe as instituições financeiras de fazer qualquer tipo de desconto que possa reduzir o valor do auxílio.

No pagamento do auxílio que já está sendo feito, clientes da Caixa Econômica reclamaram de que dívidas estavam sendo descontadas de débitos já existentes no banco.

CPF

Os deputados também proibiram que o auxílio seja negado para trabalhadores que não tenham CPF ou título de eleitor.

Além disso, tornaram obrigatório que o cadastro tenha mecanismos para viabilizar a regularização de CPFs de beneficiários que estejam com situação cadastral suspensa.

Segundo o texto, o fato de o trabalhador estar com o CPF suspenso ou irregular não será impeditivo para que recebam a ajuda.

O projeto impede ainda que aposentadorias, pensões e benefícios sejam suspensos ou reduzidos enquanto durar a pandemia, exceto em caso de óbito ou quando houver indícios de irregularidade e potencial risco de realização de gastos indevidos na concessão.

Além disso, permite a suspensão do pagamento das parcelas de empréstimos do Fies (Fundo de Financiamento ao estudante da Educação Superior).

Será possível suspender duas parcelas, para contratos de estudantes que ainda cursam a universidade ou que estejam em fase de carência. O projeto autoriza ainda a suspensão de quatro parcelas para contratos em fase de amortização.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.