Com queda no preço da gasolina, abastecer com etanol só é vantajoso em quatro estados

Nas outras 24 unidades da federação, o litro do biocombustível custa nos postos mais que 70% do preço da gasolina

Rio de Janeiro

Com a queda abrupta no preço da gasolina, abastecer o tanque com etanol hidratado só é vantajoso hoje em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás. Nas outras 23 unidades da federação, o litro do biocombustível custa nos postos mais que 70% do preço da gasolina.

O limite de 70% é uma referência utilizada no mercado, baseada em testes de rendimento dos dois combustíveis. Estudos recentes, porém, apontam que o valor pode chegar a 75% e depende também de outros fatores, como o modelo do veículo e tecnologias embarcadas.

Considerando o teto de 75%, o Paraná entra na lista dos estados onde vale à pena usar etanol, de acordo com a pesquisa de preços da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) sobre os preços médios praticados pelos postos na semana passada.

A perda de competitividade do etanol mesmo em estados produtores, como Mato Grosso do Sul, é fruto de repasses às bombas dos sucessivos cortes no preço da gasolina promovidos pela Petrobras em 2020, em resposta à queda das cotações internacionais do petróleo.

Pela primeira vez desde ao menos 2005, a gasolina está sendo vendida nas refinarias da estatal por menos de R$ 1 por litro, considerando a correção dos valores históricos pela inflação. De acordo com a ANP, o preço da gasolina nas bombas já caiu 10% em 2020, para um valor médio, no Brasil de R$ 4,095 por litro.

O preço do etanol também despenca nas usinas: na semana passada, segundo o Cepea (Centro de Estudos e Economia Aplicada) da Esalq/USP, o litro de hidratado custava R$ 1,4545 por litro. Nas bombas, o produto é vendido, em média no país, a R$ 2,796 por litro, 11% a menos do que no fim de 2019.

O cenário levou usineiros a pedirem socorro ao governo federal e provocou reações da Petrobras, para quem propostas de cortes de impostos ao biocombustível pode impactar a produção de gasolina e, consequentemente, a oferta de gás de cozinha, já que os dois combustíveis são produzidos em conjunto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.