Extrema pobreza aumenta e pode piorar com coronavírus

Total de brasileiros abaixo da linha da miséria chegou a 9,3 milhões em 2018

São Paulo

A lenta retomada da economia brasileira nos últimos anos freou a expansão da pobreza, mas não foi capaz de impedir um aumento contínuo da miséria no país.

Dados que acabam de ser divulgados pelo Banco Mundial mostram que o número de pessoas vivendo com menos de US$ 1,90 por dia no país passou de 9,25 milhões, em 2017, para 9,3 milhões, em 2018.

O cálculo da instituição —baseado em uma taxa de câmbio que reflete diferenças no custo de vida dos países— indicava renda mensal para essa população de R$ 150, no caso do Brasil, em julho de 2019.

Foi o quarto ano consecutivo de aumento na quantidade de brasileiros vivendo abaixo dessa linha, que, pelos critérios do Banco Mundial, demarca a extrema pobreza. Entre 2014 e 2018, o crescimento da população que sobrevive em condição de miséria no país foi de 67%.

Entre 15 países da América Latina para os quais há dados, além do Brasil, apenas Equador, Honduras e Argentina amargaram piora no indicador no período.

Em outras nações, como Colômbia, Peru e Uruguai, a extrema pobreza caiu, em alguns casos, significativamente. No México, o número de pessoas vivendo na miséria recuou de 4,6 milhões para 2,2 milhões entre 2014 e 2018.

Considerada uma renda individual inferior a US$ 3,20 por dia (R$ 253 mensais, em paridade do poder de compra), também houve uma piora no cenário brasileiro. Em 2017, havia 19 milhões de brasileiros vivendo abaixo dessa marca, que representa uma espécie de meio-termo entre a miséria e a pobreza.

Em 2018, o número tinha subido para 19,2 milhões. Nesse caso, também foram registrados quatro anos seguidos de deterioração.

Em uma terceira métrica usada pelo Banco Mundial —a de pessoas que recebem menos de US$ 5,50 por dia (R$ 434 mensais, em paridade do poder de compra)—, porém, a pobreza teve uma ligeira queda no Brasil, marcando uma reversão da tendência iniciada em 2015.

A quantidade de pessoas vivendo abaixo dessa linha recuou de 42,3 milhões para 41,7 milhões, entre 2017 e 2018.

Segundo Liliana Sousa, economista sênior da instituição, a diferença nas trajetórias de pobreza e miséria revela diferenças-chave entre os pobres e os extremamente pobres.

“A crise atingiu os mais pobres mais duramente. A recuperação começou mais cedo para aqueles da classe média e estava, gradualmente, atingindo os segmentos pobres”, diz.

“Há diferenças importantes entre essas duas populações. Entre os extremamente pobres, 40% vivem na zona rural, e só um terço dessas famílias têm alguma renda do trabalho”, afirma a especialista.

Já os que vivem com menos de US$ 5,50 por dia moram normalmente em cidades e 80% têm emprego. Embora a maior parte atue de forma autônoma ou sem carteira de trabalho assinada, 25% são empregados no setor formal e têm benefícios como salário família e abono salarial.

A combinação entre baixa escolaridade e poucas oportunidades de emprego, segundo Liliana, explica parte do aumento da miséria no país. Segundo ela, a taxa de desemprego entre a população extremamente pobre é de 24%.

“Ou seja, uma em cada quatro pessoas que buscam trabalho nesse grupo não conseguem uma oportunidade”, diz.

Isso leva também a uma alta taxa de desalento nesse grupo. A fila de espera para o recebimento do Bolsa Família, que chegou, recentemente, a mais de 1 milhão de famílias, também indica, segundo Liliana, que a política pública vinha falhando em atacar as consequências da severa crise econômica que afetou o Brasil nos últimos anos.

O país viveu uma profunda e longa recessão entre o segundo trimestre de 2014 e o último período de 2016 e, desde então, passava por uma lenta recuperação. Agora, com a crise de saúde causada pela pandemia do novo coronavírus, o risco é que a miséria se aprofunde ainda mais e a pobreza no Brasil volte a aumentar.

Especialistas têm destacado que a população pobre, mais dependente da renda informal, é a mais vulnerável à parada brusca que a economia sofreu em consequência do isolamento social.

Segundo Liliana, as medidas anunciadas pelo governo, após a eclosão da Covid-19, para expandir o Bolsa Família e garantir transferências diretas de renda para trabalhadores informais e autônomos serão importantes para garantir a sobrevivência dos mais pobres durante a pandemia.

Além do aumento da pobreza, economistas temem que a crise possa ter efeito sobre a desigualdade de renda. Os dados do Banco Mundial mostram que, em 2018, a distância entre ricos e pobres no país subiu.

Liliana explica que isso é consequência da recuperação mais rápida dos rendimentos dos extratos mais ricos da população, especialmente os que detêm 20% da renda do país.

A desigualdade da renda voltou a ocupar, nos últimos anos, um importante espaço no debate econômico internacional. Segundo analistas, a crise atual deverá acentuar a discussão sobre a adoção de mecanismos de proteção para a população mais vulnerável.

“Vamos precisar encontrar um novo contrato social, que dê conta das mudanças que estão ocorrendo no mundo”, afirma Octavio de Barros, presidente do centro de pesquisa República do Amanhã e ex-economista-chefe do Bradesco e do BBVA.

Segundo o especialista, a ordem econômica e social global será afetada de forma permanente pela pandemia. Além de transformações irreversíveis na área da saúde, a crise deverá impulsionar a adoção de mecanismos de proteção aos mais pobres. “Acho que benefícios como renda mínima universal serão o futuro”, afirma o economista.

No Brasil, especialistas como o sociólogo José Pastore já vinham alertando para a falta de proteção de parte significativa da população adulta que vive na informalidade.

Na crise atual, uma parcela desses profissionais precisará de apoio do governo por não ter direito a nenhum benefício trabalhista.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.