Descrição de chapéu
Mariana Luz

Mantra de que pessoas são diferencial precisa ser provado na crise

Sabemos que mulheres são responsáveis pela casa e pelas crianças, situação que se agrava em tempos de home office

Mariana Luz

As empresas, assim como a sociedade e os governos, vivem uma crise sem precedentes. Pela primeira vez, a ordem global é se recolher. A tentação de se concentrar no planejamento é grande. Mas esta é a hora de as companhias transformarem o mantra de que as pessoas são seu diferencial em demonstrações efetivas de cuidado.

Vivemos uma realidade comum: como equilibrar, sem rede de apoio, o trabalho e os cuidados com a casa, as crianças e consigo mesmos?

No mundo ideal, esse é um desafio que deveria ser enfrentado por todos. Na prática, sabemos que mulheres são responsáveis pela casa e pelas crianças.

Do ponto de vista da empresa, é tempo de assegurar direitos. No antigo normal, quando falávamos de empoderamento feminino, nos referíamos a igualdade de oportunidades e de salários.

Agora, os direitos devem ser reforçados com novo olhar. Apoiar a profissional e mãe é também saber que ela tem menos tempo para o trabalho. Tem de parar muito antes para preparar a refeição. E terá de interromper reuniões e mudar prazos porque crianças não têm relógio de ponto interior. Empoderar-se é lembrar a todos desses fatos sem se desculpar.

Como indivíduos, é tempo de colocar em prática a divisão de tarefas. Ela pode ser de maneira harmoniosa, de forma a dar suporte ao outro e garantir o equilíbrio a todos, especialmente às crianças, que precisam tanto da presença ativa de adultos nesse isolamento.

O momento exige ainda mais de mães de crianças na primeira infância. Elas são fisicamente dependentes e precisam da interação para se desenvolver. É tão importante ter tempo para brincar quanto para almoçar. Essa é uma demanda que deve ser atendida sem culpa e compreendida pela empresa.

Deixar claro que a companhia entende é uma maneira de aliviar a sobrecarga psicológica. É hora de uma abordagem formal das lideranças, verbalizando que o momento exige mais da profissional que é mãe, e que ela pode e deve priorizar sua família. Aquela reunião de todas as manhãs precisa mesmo ser feita?

Ser flexível, ter agilidade e sensibilidade para mudar processos são características de resultado na pandemia. Países que respondem melhor à crise são os liderados por mulheres.

A lista de ações dessas líderes vai desde a velocidade de resposta à crise até atos como o de Erna Solberg, da Noruega, que convocou entrevista online para tirar dúvidas das crianças.

A primeira ministra da Noruega, Erna Solberg, responde a perguntas de crianças, em 16 de março - Lise Åserud / NTB Scanpix / AFP

O que esse tipo de ação evidencia é algo que o mundo da gestão sabe há tempos: as mulheres combinam a flexibilidade para atender aos chamamentos de crise com o pulso, a agilidade, a coragem e a humildade que a gestão macro demanda, ao mesmo tempo que demonstram amor e sensibilidade aos dramas individuais. Essa conjunção de fatores faz toda a diferença.

Mariana Luz

Presidente da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.