Descrição de chapéu Coronavírus

Sem protocolo geral, abre e fecha prolonga isolamento e aprofunda crise

Impacto da Covid-19 será diferente nos municípios, o que tende a provocar ondas de paralisação

São Paulo

Há duas semanas, o governo do Ceará foi um dos primeiros a tentar relaxar a política de isolamento social no país, liberando algumas atividades não essenciais. A decisão durou menos de três horas e foi revogada.

Na quinta (16), o estado informou que 100% dos leitos de UTIs do sistema público estavam lotados. Há fila de espera, e a previsão é que haja 250 mortos ao dia a partir de maio.

Com Fortaleza transformada em um dos epicentros da Covid-19 e os casos se alastrando para o interior, o estado precisará decidir novamente nesta segunda (20) o que fazer com o isolamento.

Ele provavelmente será prorrogado outra vez, segundo indica o governador do Ceará, Camilo Santana (PT).

Funcionária trabalha no final da montagem do hospital de campanha do estádio Presidente Vargas, em Fortaleza, previsto para ser inaugurado nesta segunda-feira (20) - Jarbas Oliveira/Folhapress


Sem um protocolo nacional, o efeito “abre e fecha” é hoje o maior desafio de estados e municípios para conciliar a saúde, o isolamento e a economia diante das consequências deletérias da pandemia.
Quase dois meses após a chegada da Covid-19, o Brasil ainda não tem um plano.

Como agravante, a intensidade e abrangência geográfica do impacto do coronavírus será diferente em muitas das 27 unidades da Federação e 5.569 municípios, o que tende a provocar ondas intermitentes de paralisação.

Na Europa, as autoridades já divulgam como regra para relaxar o isolamento observar um período sem a propagação do vírus e a capacidade hospitalar regional.

Nos Estados Unidos, haverá etapas definidas pelo governo central para os estados, que escalonarão os tipos de estabelecimentos que poderão reabrir (primeiro escolas, depois restaurantes, por exemplo) e as pessoas que circularão livremente (crianças e adultos antes dos idosos).

Além da definição desses protocolos, os países prometem multiplicar os testes para a Covid-19 e o uso de máscaras entre a população.

No Brasil, mesmo a questão das máscaras tem sido facultativa, embora haja iniciativas como a de Mato Grosso de aprovar multa de R$ 140 para quem não usar a proteção.

“O fantástico no Brasil é que nada disso sequer está sendo discutido, o que é inacreditável”, afirma Armando Castelar, coordenador de economia aplicada do Ibre/FGV.

Desde que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou a defender a volta indiscriminada dos brasileiros ao trabalho, esse debate foi interditado até mesmo dentro do governo federal, o que acabou levando à demissão do ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde), na semana passada.

O estado de São Paulo, que também tateia uma saída para o isolamento, decidiu na sexta (17) adiar novamente, até 10 de maio, o fim das restrições de circulação de pessoas e a abertura de negócios.

Mas, em cidades do interior como Indaiatuba e São José do Rio Preto, prefeitos vêm flexibilizando a medida, permitindo atividades em igrejas, salões de beleza, bancas de jornal e óticas.

“Como não há um protocolo nacional, diferentes estados e municípios adotam medidas distintas, o que torna pouco previsível a evolução da curva de casos no país como um todo, dificultando o enfrentamento desta crise”, afirma Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e Planejamento de São Paulo.

No caso paulista, segundo ele, o estado continuará seguindo “dados científicos” para tomar decisões sobre o isolamento.

Só na semana passada o Ministério da Saúde determinou que os hospitais informem em uma plataforma única a lotação de seus leitos de UTI.

Até que essas informações estejam consolidadas, milhares de cidades e centenas de regiões continuarão no escuro sobre a real capacidade de atendimento de sua população.

Menos de 10% dos municípios do país têm leitos de UTI, e sua disponibilidade é muito desigual, tanto regional (maior no Sul e Sudeste do que no Norte e Nordeste) quanto no Sistema Único de Saúde (1,4 leito por 10 mil habitantes) e no setor privado (4,9 leitos por 10 mil segurados).

Em relação aos testes, o Brasil também demorou quase um mês desde a confirmação do primeiro caso de infecção, em 25 de fevereiro, para anunciar compras importantes —e a testagem em grande escala nem sequer começou.

Como comparação, Chile e Peru hoje fazem mais testes que o estado de São Paulo em números relativos à população e absolutos.

Quanto mais tempo tardar um plano para a saída do isolamento e os testes, segundo especialistas, maiores serão os impactos sobre a economia e os trabalhadores.

Setor de serviços


No Brasil, 70% do PIB e dos empregos são gerados no setor de serviços. Neste momento, além de serem as mais afetadas pelo fechamento de uma infinidade de estabelecimentos, grande parte das vagas são informais —e seus ocupantes agora dependem da ajuda emergencial anunciada pelo governo de R$ 600 por três meses.

Se essas pessoas não puderem voltar logo ao trabalho, o impacto nas contas públicas também tende a aumentar com o eventual prolongamento da ajuda a elas.

Além disso, mais de 4,7 milhões de trabalhadores no setor de serviços (7,6% do total) têm mais de 60 anos, faixa em que ocorrem cerca de 8 em cada 10 mortes pela Covid-19.

No total, mais de 8% dos trabalhadores no país têm mais de 60 anos, proporção que sobe para 13% na agropecuária.

Nessa área, uma das poucas liberadas para continuar suas atividades quase normalmente, a possibilidade do “abre e fecha” e de paralisações intermitentes também existe.

“Com a epidemia se movendo em direção ao interior, algumas áreas de cultivo acabarão sendo afetadas mais à frente”, diz Marcello Brito, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio.

Menos dependentes de mão de obra intensiva, plantações de soja, milho e algodão podem não sofrer tanto, o oposto de culturas como feijão e frutas —​essa última já enfrenta forte paralisação pela suspensão de voos para a Europa e pelas restrições no Brasil.


“Um dos grandes erros do Brasil foi não regionalizar o isolamento logo no início, como fez a China com a região de Wuhan. Quando o pior passar nas capitais e as medidas forem relaxadas, o interior tenderá a seguir o exemplo, antes de atingir o pico de contaminação”, diz Alexandre Rands, economista e presidente da Datamétrica, do Recife.

No Nordeste, enquanto havia casos de Covid-19 na capital pernambucana e em Fortaleza, a Paraíba e o Rio Grande do Norte não tinham registros. Mesmo assim, pessoas não testadas das duas cidades viajaram livremente a esses estados, espalhando o vírus.

No Ceará, mesmo com Fortaleza altamente infectada, seus moradores seguem viajando para os municípios do interior e a outros estados. O mesmo padrão se repete em vários estados.

Segundo Flávio Ataliba, secretário-executivo de Planejamento e Orçamento do Ceará, o esforço agora é para ampliar ao máximo os leitos de UTI e seguir as recomendações da área da saúde antes de tomar decisões sobre o isolamento.

Para Fábio Klein, da Tendências, “diante da descoordenação geral” no país, o mais provável é que a reabertura e o fechamento de atividades durante a epidemia acabem ocorrendo em ondas.

Nesse cenário, o economista aposta não em uma recuperação da economia em forma de “V”, mas em repetidos “W”, refletindo a volatilidade e as diferenças de intensidade com que vários setores sofrerão a crise em momentos distintos.

Segundo Fernando Honorato, economista-chefe do Bradesco, na ausência de um plano geral, as próprias empresas privadas têm criado seus protocolos na crise, reorganizando atividades e a segurança no ambiente de trabalho.

Honorato julga ser fundamental o cruzamento dos dados sobre o total de contaminados, a partir de testes, com a disponibilidade de leitos de UTI para decidir sobre protocolos de isolamento.

A falta de coordenação, porém, não se restringe às regras para o fim das restrições nos estados e municípios.

“Ela inexiste também na relação entre o Executivo, a Câmara e o Senado para as medidas de combate aos efeitos econômicos da epidemia”, avalia Fernando Veloso, pesquisador do Ibre/FGV. “Com esses conflitos exacerbados, muito mais gente acabará perdendo nessa crise.”

Veloso ressalta que, desde meados de 2017, quase todo o aumento do emprego ocorria no precário mercado informal, fato que vinha derrubando tanto a produtividade da economia quanto as chances de um crescimento maior no futuro.

Para Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, não haverá como escapar de um cenário de crescimento muito baixo na média dos próximos anos, quando o país tiver de conviver com um endividamento bem superior ao atual —e eventualmente ser obrigado até a aumentar impostos para pagar a conta.

A MB Associados projeta queda de 4,7% do PIB neste ano, mais do que a média de -3,4% no biênio 2015/2016.

“Mas, se tivermos que ficar no abre e fecha de um isolamento intermitente, não é difícil isso cair a 6% ou 7% negativos”, afirma Vale.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.