Bolsonaro edita MP que garante reajuste a policiais do DF

Pacote de socorro a estados e município deve incluir veto a aumentos de salários

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou nesta terça-feira (26) uma Medida Provisória que garante reajuste para policiais do Distrito Federal, que são custeados pelo Tesouro Nacional. Com isso, a categoria deve ficar de fora do congelamento salarial de servidores defendido pelo ministro Paulo Guedes (Economia).

A assinatura da MP foi anunciada pelo vice-governador do DF, Paco Britto (Avante), que participou da cerimônia fechada no Palácio do Planalto. Também acompanharam o ato o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF), um dos mais próximos aliados de Bolsonaro.

A publicação de uma medida concedendo o benefício aos policiais e bombeiros do DF vinha sendo negociada entre Bolsonaro e o governador Ibaneis Rocha (MDB) para ocorrer antes da sanção de um pacote de auxílio da União a estados e municípios.

Isso porque o pacote federativo deverá vir com um veto que barra reajustes e novas contratações permanentes de servidores até o final de ano que vem.

O presidente Jair Bolsonaro assinou MP para liberar reajuste aos policiais do Distrito Federal - Pedro Ladeira/Folhapress

O aumento aos policiais e bombeiros do DF foi autorizado por um projeto de lei votado em 13 de maio pelo Congresso Nacional.

A proposta alterou a lei orçamentária de 2020, prevendo o pagamento aos profissionais retroativo a janeiro deste ano.

O texto permite aumento de 8% para policiais civis do Distrito Federal e de 25% para policiais militares e para os bombeiros do DF. A previsão feita no período de votação do projeto era de um impacto de quase R$ 505 milhões.

Nesta terça no Planalto, o vice-governador Britto confirmou os valores que constavam na autorização, mas argumentou que o reajuste médio para os policiais civis e militares, além dos bombeiros, será de 8%.

Em uma rápida coletiva de imprensa após a cerimônia, Britto evitou chamar a MP de reajuste e disse que se trata, na verdade, de uma “recomposição”.

“Não estamos falando de um reajuste, estamos falando de uma recomposição de anos atrás, igual aconteceu com os outros ex-territórios”.

De acordo com ele, os policiais dos ex-territórios —e hoje estados— de Rondônia, Roraima e Amapá também foram incluídos na MP.

"Foi uma correção para a melhor polícia do país. Equiparação do salário, não foi um aumento, que o presidente da República e o Congresso fizeram e aprovaram. Reconhecendo o DF como a melhor polícia militar do país e a melhor polícia civil", disse o vice-governador.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.