Descrição de chapéu Coronavírus

Drive-thru cresce como alternativa de shoppings e lojas para reduzir perdas

Consumidores fazem a compra pelo site ou por WhatsApp e agendam hora para retirada no local

São Paulo

Conforme o Dia das Mães se aproxima, mais lojistas de shoppings aderem ao sistema drive-thru para tentar mitigar as perdas diante da quarentena no país.

Segundo Vander Giordano, vice-presidente institucional da Multiplan, a medida é uma alternativa de suporte aos lojistas em meio ao isolamento social e crise do coronavírus.

A Multiplan administra shoppings como o Morumbi Shopping, em São Paulo, o Barra Shopping, no Rio de Janeiro, e o Park Shopping Barigüi, em Curitiba —que já contam com o drive-thru.

Cliente recebe a compra sem sair do carro, no drive-thru do Shopping Cidade São Paulo
Cliente recebe a compra sem sair do carro, no drive-thru do Shopping Cidade São Paulo - Mathilde Missioneiro/Folhapress

“Como ainda existem muitas pessoas com medo de sair, a premissa é que não haja contato físico”, afirmou Giordano.

Para participar do sistema de drive-thru, o lojista precisa assinar um termo de adesão com o shopping e deve se comprometer a higienizar os pacotes a serem entregues e a seguir as medidas de higiene, como o uso de luvas, máscaras e álcool em gel.

Do lado do cliente, o uso do drive-thru é simples. A compra é feita pelos canais disponibilizados, como o site da loja ou um número de WhatsApp próprio para o pedido.

Depois de escolher o produto, o consumidor agenda uma hora para buscá-lo. O pagamento é feito na hora da retirada ou por plataforma previamente disponibilizada pela loja.

Segundo o diretor de marketing da Ancar, Diego Marcondes, o número de lojistas que aderem ao sistema cresce significativamente, e a adoção da medida deve ser estendida.

A Ancar administra o Shopping Metrô Itaquera e o Shopping Pátio Paulista, em São Paulo, e o Botafogo Praia Shopping, no Rio de Janeiro, por exemplo, que estarão com o modelo para o Dia das Mães.

“O processo de digitalização dos shoppings se intensificou muito nos últimos dois meses e tende a continuar crescendo”, afirmou Marcondes.

Outros setores também têm adotado o drive-thru, como é o caso da Leroy Merlin. A empresa já era adepta do modelo antes da pandemia, mas ajustou protocolos para manter as vendas na quarentena.

Segundo o gerente comercial da Leroy Merlin da marginal Tietê, Paulo Palermo Junior, o horário de funcionamento do drive-thru foi reduzido para atender das 8h às 22h (ia das 6h30 às 23h), além da restrição de cada cliente ser atendido por um único funcionário durante o processo (antes, o sistema trabalhava com um colaborador por etapa).

“Os funcionários são obrigados a usar máscaras e luvas e a higienizar seus pontos de trabalho. Orientamos o cliente a não descer do carro e também espalhamos cartazes informativos”, disse.

Especificamente para o Dia das Mães, a expectativa é de uma queda de 60% nas vendas ante igual período de 2019, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio).

“Mesmo depois da pandemia, a tendência é que haja uma herança negativa. Principalmente dada a retração do mercado de trabalho e da renda”, disse o economista da confederação Fábio Bentes.

Só em São Paulo, segundo o assessor econômico da FecomercioSP (Federação do Comércio de São Paulo) Altamiro Carval, a queda estimada para a data é de 31% entre os cinco setores que mais vendem no período —farmácias, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, móveis e decorações, vestuários e supermercados—, valor equivalente a uma perda de R$ 3,7 bilhões em vendas.

“Todos nós queremos abrir logo as portas para termos a oportunidade de vender, mas sabemos que o movimento não vai ser grande. Estamos todos sofrendo”, afirmou o vice-presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) do Bom Retiro, Nelson Tranquez.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.