Entenda como será a reabertura para seu negócio

Classificação em função da evolução dos casos de Covid-19 vai definir flexibilização

São Paulo

As empresas paulistas poderão reabrir a partir desta segunda-feira (1º) desde que sigam protocolos para conter o avanço do novo coronavírus.

Entre as medidas estipuladas pelo governo João Doria (PSDB) está o horário reduzido para shoppings centers a apenas quatro horas diárias e permitindo que a entrada de apenas 20% da capacidade do público.

O governo ainda faz recomendações como a retirada de revistas e folders das salas de espera, para evitar que sejam compartilhados, e evitar conversas em elevadores, além de manter distâncias de 1,5 metro entre as pessoas e os ambientes arejados.

“Os protocolos são sugestões que foram discutidas com as empresas. O estado não tem como fiscalizar isso. As empresas têm interesse em adotá-los, até para garantir que não vamos voltar para trás”, afirma a economista Ana Carla Abrão, coordenadora do Conselho Econômico do Estado de São Paulo, criado pelo governo em razão do coronavírus.

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB) anuncia plano São Paulo, que prevê reabertura de estabelecimentos comerciais - Governo do Estado de São Paulo

Nos shoppings, as praças de alimentação permanecerão fechadas. As lojas também deverão trabalhar com quantidade reduzida de funcionários e aqueles que fazem parte do grupo de risco devem permanecer em casa.

Para permitir a reabertura, o governo criou quatro zonas de risco, por ordem decrescente de gravidade (vermelha, laranja, amarela, verde e azul), definidas com base na capacidade hospitalar instalada e na evolução da epidemia de cada região.

A capital, por exemplo, foi considerada zona laranja, ou seja, com ocupação dos leitos de UTI entre 60% e 80% e evolução dos novos casos da epidemia entre 1,0 e 2,0, segundo a medição adotada.

Nesta classificação é possível que, além dos shoppings centers, lojas de rua, concessionárias, escritórios em geral e atividades imobiliárias​ reabram as portas.

Bares e restaurantes ao ar livre e salões de beleza também poderão abrir quando a classificação for a amarela: ocupação dos leitos de UTI abaixo de 60% e evolução de novas internações abaixo de 1. Com esta cor, estabelecimentos que estavam autorizados anteriormente podeão ampliar a capacidade de público para 40%.

Quando a ocupação de leitos de UTI estiver abaixo de 60% e evolução de novas internações por Covid-19, abaixo de 0,5 (classificação verde), bares e restaurantes sem espaço ao ar livre e academias serão liberados.

“Todos esses setores, em casa fase, vão ter que observar os protocolos”, afirma Ana Carla.

A cada sete dias, o governo vai reclassificar a região. “Mas é necessário 14 dias para mudar o status, caso tenha evoluído. Se ela piorar, o governador pode reclassificar a qualquer momento, não de período mínimo”, diz a economista.

O governo ainda recomenda a adoção do teletrabalho, sempre que possível, reuniões virtuais —inclusive com clientes— e o uso de canais digitaispara atendimento ao público, entre outras medidas.

Também recomenda que bebedouros de pressão não sejam utilizados e que cada funcionário tenha seu próprio copo caso a água seja fornecida em galões, purificadores ou filtros de água.

Veja abaixo as principais regras:

  • Máquinas de cartão

    Envelopar as máquinas de cartão com filme plástico e higienizá-las após cada uso

  • Retirada de tapetes e carpetes

    Sempre que possível, retirar ou evitar o uso de tapetes e carpetes, facilitando o processo de higienização. Não sendo possível a retirada, reforçar a limpeza e higienização dos mesmos

  • Alimentação

    Fornecer alimentos e água potável de modo individualizado. Caso a água seja fornecida em galões, purificadores ou filtros de água, cada um deve ter seu próprio copo. Os bebedouros de pressão de utilização comum devem ser removidos ou lacrados

  • Aferição da temperatura

    Medir a temperatura corporal dos funcionários e clientes na entrada, restringindo o acesso ao estabelecimento e redirecionando para receber cuidados médicos caso esteja acima de 37,5ºC

  • Escalas de alimentação

    Organizar escalas para horários de almoço, jantar, cafés e lanches para evitar aglomerações

  • Distanciamento no escritório

    Restringir aglomerações em espaços comuns, demarcar áreas que não deverão ser utilizadas, indicar visualmente a limitação máxima de pessoas nos ambientes e garantir o distanciamento mínimo entre os funcionários e clientes por meio da reorganização de mesas e cadeiras, se necessário, demarcando lugares que precisarão ficar vazios

  • Papéis protetores nas mesas

    Recomenda-se a utilização de papéis protetores nas estações de trabalho. Estes devem ser descartados ao final do expediente pelo próprio funcionário

  • Segurança em reuniões presenciais

    Determinar um responsável por reunião para manipular os comandos de salas de reuniões e afins, evitando o compartilhamento de objetos entre participantes

  • Procedimentos de embarque/desembarque em ônibus fretados

    Adotar procedimentos de embarque e desembarque a fim de evitar o cruzamento do fluxo de pessoas, começando a lotação do ônibus fretados pelos bancos de trás e sua desocupação pelos bancos da frente

  • Limitação de pessoas

    Limitar o número de pessoas na área de espera. Sempre que possível, adotar sistema de agendamento de horário prévio, prevendo maiores janelas entre os clientes

  • Limpeza das salas de espera

    Retirar da sala de espera todos os itens de entretenimento que podem ser manuseados pelos clientes, como revistas, tablets ou catálogos de informações

  • Acesso seguro de funcionários

    Evitar o ponto eletrônico biométrico

  • Controle de aglomerações no comércio

    Restrição de acesso ao comércio de forma a evitar aglomeração e manter o distanciamento mínimo

  • Segurança para grupos de risco no atendimento

    Aumentar o número de caixas preferenciais para atendimento ao público dos grupos de risco

  • Melhor uso de elevadores

    Limitar o uso simultâneo de elevadores, reduzir a lotação máxima, manter o distanciamento mínimo necessário e orientar os funcionários e clientes a não conversarem dentro dos elevadores

  • Restrições para eventos presenciais

    Proibir aulas, cursos e treinamentos presenciais em áreas fechadas sem ventilação, devendo ser realizados em ambientes ao ar livre ou bem arejados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.