Mercado vê dólar a R$ 5 como novo normal

Economistas começam a apontar cotação de R$ 6; em março, ministro Paulo Guedes afirmou que dólar iria a R$ 5 se 'muita besteira' fosse feita

São Paulo

Formou-se uma espécie de consenso nas estimativas para o dólar ao fim de 2020 e agora o mercado prevê que a moeda poderá terminar o ano a R$ 5. Essa foi a projeção do Boletim Focus do Banco Central nesta segunda (4). Há uma semana, a mediana do mercado apontava a moeda americana a R$ 4,80.

E neste ambiente de incerteza com a pandemia do novo coronavírus, aumento de gastos para minimizar os danos causados pelas medidas de contenção da doença e ainda crise política interna, há quem comece a indicar que a moeda poderá ir aos R$ 6 com mais facilidade do que poderá voltar a ser negociada abaixo de R$ 5.

Neste começo de maio, o dólar ronda a faixa de R$ 5,50 e faz parecer distante a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a cotação ir a R$ 5 caso "muita besteira" fosse feita. A declaração foi dada no começo de março, quando o dólar estava a R$ 4,65.

"Pode chegar a R$ 5? Ué, se o presidente pedir para sair, se todo mundo pedir para sair. É um câmbio que flutua, se fizer muita besteira, ele pode ir para esse nível", afirmou Guedes no dia 5 de março.

Uma semana depois, a moeda americana ultrapassou os R$ 5 pela primeira vez durante o pregão e, no dia 16 de março, fechou acima desse patamar, que se mantém desde então.

Quando Sergio Moro, ex-ministro da Justiça, pediu para sair do governo de Jair Bolsonaro, a moeda foi a máxima recorde de R$ 5,7450 durante o pregão.

O recorde, porém, é nominal, ou seja, não leva a inflação em conta. Em 2002, entre o primeiro e o segundo turno das eleições que levaram Lula à Presidência, a moeda dos EUA foi ao recorde de R$ 4,00 durante o pregão –fechou a R$ 3,99. Hoje, corrigido pela inflação brasileira e americana, esse valor equivale a cerca de R$ 7,86.

No gráfico abaixo, é possível comparar a diferença do dólar nominal com o dólar real. A conta no gráfico é feita com base no dólar médio do mês e leva em consideração as inflações brasileira e americana.

Segundo especialistas, o patamar atual de R$ 5 deve ser o novo normal, pelo menos a curto prazo.

“Por um tempo, a gente deve ficar nos R$ 5 pela crise política, que piora a imagem do país no exterior. Os estrangeiros continuam saindo do Brasil”, afirma Cristiane Quartaroli, economista da Ourinvest.

Enquanto as divisas de outros países latinos se desvalorizam entre 10% a 20% no ano, o real perde 37,6% do seu valor ante o dólar, que ficou R$ 1,51 mais caro desde o fim de 2019. Dentre todos os países do mundo, a moeda brasileira tem a maior queda em 2020.

“Apesar do real ser uma das moedas emergentes mais líquidas, grande parte dessa alta são fatores internos. Não vejo motivos para o câmbio cair, mas, para subir, são todos”, diz Cristiane.

Além da saída de Moro, a atual crise entre os Poderes, acentuada pela participação do presidente Bolsonaro de mais uma manifestação com críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal) e ao Congresso no último domingo (3), é apontada como uma das condicionantes da depreciação do real.

“O que deixa o mercado com medo é que uma crise política pode ter uma consequência pior que o coronavírus porque, por pior que seja o impacto da pandemia, uma hora ela tem fim, fora que o mundo todo está lançando medidas econômicas para combater o seus efeitos”, diz Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos.

Salomão aponta que outra causa para o dólar acima de R$ 5 é a deterioração fiscal do Brasil, com o aumento de gastos para combater a pandemia de Covid-19 e seus efeitos econômicos.

“Estávamos com uma série de medidas para que o déficit fiscal do Brasil se reduzisse e, pelo coronavírus, essa economia está indo para o ralo. Essas medidas têm que ser feitas, mas o problema é como são feitas para não abrirmos precedentes e perdermos o controle dos gastos”, diz o analista.

A situação se reflete no risco-país brasileiro medido pelo CDS (Credit Default Swap), que funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores em relação a economias, especialmente as emergentes. Se o indicador sobe, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país, se ele cai, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas.

No ano, o CDS brasileiro acumula alta de 221%, a 320 pontos, patamar semelhante a 2016, quando o índice iniciou uma tendência de queda após o impeachment de Dilma Rousseff.

No exterior, a pandemia de coronavírus e a retomada do conflito entre Estados Unidos e China também contribui para o fortalecimento do dólar ante as principais moedas globais, já que o ativo é tido como investimento de segurança.

Na última sexta (1º), o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que o acordo comercial com a China agora é de importância secundária diante da pandemia e ameaçou aplicar novas tarifas de importação sobre Pequim à medida que seu governo elabora medidas de retaliação diante da crise de saúde.

No domingo (3), o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse que há "quantidade significativa de evidências" de que o coronavírus surgiu em um laboratório chinês.

“Conforme temos uma perspectiva de fim de lockdown, mais o tema eleições volta ao radar e essas declarações são o início disso”, afirma Salomão.

Trump concorre à reeleição presidencial contra o democrata Joe Biden neste ano.

Com o cenário de incertezas, com indícios de uma forte crise global, alguns economistas veem o dólar a R$ 6.

“Podemos contar já com R$ 6 ao fim do ano. No momento, o ambiente doméstico está bem mais agudo que no exterior. Dependendo do que acontecer aqui, pode ir acima de R$ 6”, afirma José Francisco Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator.

Ele aponta que, apesar da piora na projeção do dólar pelo mercado, a expectativa para a inflação segue em queda “o que corresponde à queda na atividade econômica”, diz.

Sem efeitos da alta do dólar nos preços, o Banco Central fica mais confortável para cortar a Selic, cuja função principal é controlar a inflação.

A taxa básica de juros está a 3,75% ao ano e o mercado espera que seja reduzida para 3,25% na reunião de política monetária do BC nesta quarta (6). Segundo o Focus, novos cortes devem ser feitos ao longo do ano, levando a Selic para 2,75% ao fim de 2020.

O cenário de juros baixo também contribui para a alta do dólar por meio do carry trade —prática de investimento em que o ganho está na diferença do câmbio e do juros.

Nela, o investidor toma dinheiro a uma taxa de juros menor em um país, para aplicá-lo em outro, com outra moeda, onde o juro é maior. Com a Selic na mínima histórica, investir no Brasil fica menos vantajoso, o que contribui com uma fuga de dólares do país, elevando assim sua cotação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.