Na Escandinávia, país que adotou quarentena tem previsões econômicas melhores

Estimativas divulgadas hoje pela União Europeia são que PIB da Dinamarca cairá menos e terá retomada mais vigorosa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Bruxelas

Ao menos nas previsões da União Europeia, não ter adotado uma quarentena rigorosa não garante necessariamente melhores perspectivas econômicas.

Nas estimativas divulgadas nesta quarta-feira (6), a Dinamarca, onde escolas, empresas e lojas foram fechadas e a circulação foi reduzida, deve ter uma queda do PIB e um aumento do desemprego menores em 2020 que o de países vizinhos que não adotaram medidas drásticas de redução da atividade, como Suécia e Finlândia.

O fato de que os três países estão na mesma região e têm características socioeconômicase culturais semelhantes facilita a comparação. A Noruega, quarto país escandinavo, também adotou quarentena, mas não faz parte da União Europeia e, por isso, não está incluída nas estimativas do bloco.

A economia dinamarquesa deve encolher 5,9% em 2020, contra 6,1% da Suécia e 6,3% da Finlândia.

Escultura em Helsinque, capital da Finlândia, alvo de intervenção; faixa diz 'mantenha-se forte'
Escultura em Helsinque, capital da Finlândia, alvo de intervenção; faixa diz 'mantenha-se forte' - Zhu Haochen/Xinhua

A atividade econômica da Dinamarca também deve ter uma recuperação mais vigorosa em 2021, nos cálculos da Comissão Europeia (Poder Executivo da UE): alta de 5,1%, contra 4,3% da sueca e 3,7% da finlandesa.

Nos cálculos feitos pelos economistas da UE, tanto a contração do PIB quanto a velocidade de recuperação dependem da gravidade do surto, da amplitude e profundidade das quarentenas e da importância de serviços como o turismo em cada economia.

Recursos financeiros e medidas para reduzir os danos durante as quarentenas e impulsionar a retomada também provocam desigualdade entre os países.

A situação mais favorável para o país escandinavo que adotou quarentena também se repete em relação ao índice de desemprego, que deve passar de 5%, em 2019, para 6,4% em 2020 na Dinamarca, recuando para 5,7% em 2021. Na Suécia, a previsão é de que o desemprego chegue a 9,7% neste ano (era 6,8% em 2019) e recue para 9,3% em 2021.

Entre os finlandeses, o desemprego deve passar de 6,7%, em 2019, para 8,3 neste ano, descendo para 7,7% em 2021.

Uma das hipóteses que pode explicar a proteção maior da economia dinamarquesa para além da adoção das quarentenas são políticas do Estado. Com o maior superavit fiscal entre os três países em 2019 (3,7%, contra 0,5% na Suécia e deficit de 0,1% na Finlândia), a Dinamarca deve terminar 2020 com um déficit de 7,2%, maior que o sueco (5,6%), mas menor que o finlandês (7,4%).

Em 2021, os dinamarqueses deve reduzir o rombo nas contas públicas para 2,3% do PIB, proporção semelhante à esperada para a Suécia (2,2%) e menor que os 3,4% de déficit previstos para a Finlândia.

Até a manhã desta quarta, a Dinamarca tinha um número de mortos pelo coronavírus em relação à população (8,7 mortes por 100 mil habitantes) menor que da Suécia (29,1/100 mil), mas maior que o da Finlândia (4,5/100 mil).

O governo dinamarquês foi também o que mais testes aplicou: 4.673 por 100 mil habitantes. Na Finlândia, foram 1.973/100 mil, e, na Suécia, 1.470/100 mil, até esta quarta.

Em toda a União Europeia, a economia deve mergulhar 7,4% neste ano. A recuperação começa no segundo semestre e levará a um crescimento de 6,1% em 2021, ainda insuficiente para compensar a contração de 2020, segundo a Comissão Europeia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.