Descrição de chapéu Coronavírus

Na reabertura nos EUA, empregadores enfrentam dúvida sobre testar funcionários

Especialistas dizem que testagem generalizada será vital para volta de atividades econômicas, mas há pouca orientação

Nova York | The New York Times

Enquanto os Estados Unidos iniciam a reabertura social e econômica, os empregadores avaliam como receber seus funcionários em segurança. Uma dúvida recorrente é se devem testá-los para o novo coronavírus.

Algumas empresas estão se antecipando. Em Indianápolis, a Shapiro's Delicatessen, de propriedade familiar, testou cerca de 25 empregados em seu estacionamento neste mês.

A Amazon pretende gastar até US$ 1 bilhão neste ano para testar habitualmente sua força de trabalho, enquanto faz as obras iniciais de seu próprio laboratório perto do aeroporto de Cincinnati.

Os cassinos em Las Vegas estão testando milhares de empregados enquanto se preparam para voltar ao trabalho, coletando amostras de secreção nasal nos salões de convenção.

Wesley Smith, an employee of the Venetian Resort in Las Vegas, is tested for the coronavirus on May 21, 2020. Las Vegas casinos are testing thousands of employees as they prepare to return to work. (Bridget Bennett/The New York Times)
Wesley Smith, funcionário de um hotel em Las Vegas, passou pelo teste no dia 21 de maio; cassinos estão testando milhares de funcionários para Covid-19 enquanto preparam a reabertura - Bridget Bennett/The New York Times

E a MLB (liga de beisebol norte-americana), ansiosa para recomeçar sua temporada, propõe um regime minucioso que exige testar os jogadores e funcionários críticos várias vezes por semana.

Especialistas em saúde pública e autoridades já enfatizaram que os testes generalizados serão vitais para a reabertura, mas há pouca orientação clara dos órgãos estaduais e federais sobre o papel que os empregadores devem desempenhar na detecção e rastreamento da Covid-19.

Em consequência, as empresas de modo geral devem decidir por conta própria se vão testar –e como fazê-lo– para tranquilizar empregados e clientes. Por enquanto, muitas empresas estão à espera.

"É realmente difícil discutir isso, porque as pessoas querem respostas absolutas: 'Se eu fizer isso, vou garantir um local de trabalho seguro?' Nenhum teste vai oferecer isso neste momento", disse John Constantine, executivo-chefe do grupo de franquias ARCPoint, uma rede nacional de laboratórios que oferece testes do vírus aos empregadores. Ele acrescentou que se feitos com inteligência os testes podem reduzir os riscos à saúde. "Mesmo que não sejam perfeitos, um pouco de testes é melhor que nenhum."

Apesar dos rápidos avanços, ainda há limitações. Os testes diagnósticos, por exemplo, só detectam infecções durante certo período. E embora os exames de sangue aplicados após uma infecção possam detectar anticorpos que ofereçam certa imunidade, não devem ser usados separadamente para se tomar decisões sobre quando as pessoas podem voltar ao trabalho, advertiu neste mês a Associação de Laboratórios de Saúde Pública e Conselho de Epidemiologistas Estaduais e Territoriais.

Algumas companhias hesitaram em anunciar esses planos por causa da escassez que tornou impossível testar muitos pacientes e trabalhadores de saúde em áreas fortemente atingidas. Embora a capacidade tenha aumentado drasticamente nas últimas semanas, não está claro se os laboratórios podem atender à demanda se firmas de todo o país testarem diversas vezes seus funcionários.

Algumas autoridades de saúde pública dizem que os testes generalizados podem ser desnecessários, e ter consequências imprevistas.

"Não queremos que as pessoas tenham uma falsa sensação de segurança", disse Karen Landers, médica distrital do Departamento de Saúde Pública do Alabama. Ela não recomenda que os empregadores testem todos os funcionários quando retornarem. "Uma pessoa pode dar negativo hoje e depois ser exposta."

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças não ofereceram diretrizes sobre a questão, embora tenham divulgado listas neste mês para ajudar várias indústrias a decidir quando devem reabrir. Uma lista para locais de trabalho pergunta se a monitoração foi implantada, notando que as empresas devem adotar procedimentos para checar os empregados diariamente ao chegarem, por sinais da doença.

Muitos empregadores já adotaram medidas protetivas como verificar a temperatura, desinfetar superfícies depois de cada turno, exigir máscaras e distanciamento social.

Para os patrões que tentam decidir se vão ou não testar os funcionários, a resposta pode depender de quanto contato os trabalhadores têm entre si e qual a prevalência do vírus na comunidade ao redor.

Em uma área de risco muito baixo, "você provavelmente não precisa testar", disse o doutor Ashish Jha, professor de saúde global na Universidade Harvard. "Mas se for uma companhia numa grande cidade ou subúrbio e tiver um monte de gente num espaço fechado, será crítico."

Locais de trabalho densos, como fábricas e frigoríficos, provavelmente deverão testar os trabalhadores com maior frequência do que os escritórios de empresas com menor interação entre pessoas.

Uma estratégia que começa a circular entre especialistas em saúde pública é aplicar testes de coronavírus em grupo, no quais um local de trabalho mistura diversas amostras de saliva ou muco nasal em uma grande amostra representando dezenas de funcionários.

Essa técnica —que remonta à Segunda Guerra Mundial, quando os soldados foram testados em massa por sífilis— permitiria que as empresas vissem se o coronavírus está circulando entre os trabalhadores. Um resultado positivo levaria a mais testes dos indivíduos de cada grupo.

"Você pode usar um teste para descartar um grande número de pessoas, e isso o torna custo-eficiente", disse Natalie Dean, professora-assistente de bioestatística na Universidade da Flórida.

Tradução Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Steve Eder , Ellen Gabler , Sarah Kliff e Heather Murphy

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.