Programa de financiamento de salários teve mais adesão entre empresas maiores

Para aumentar o alcance, reformulação da linha será anunciada na próxima semana, diz BC

Brasília

A maior parte das empresas que financiaram folhas de pagamento com subsídio do governo tem faturamento próximo a R$ 10 milhões, segundo o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

"Quando a gente olha as empresas que pegaram o programa, está mais perto dos R$ 10 milhões [de faturamento] do que da parte debaixo, o que mostra que esse produto é mais concentrado nas empresas que tem mais faturamento do que menos. A ideia é expandir. [A linha] vai sofrer alguns ajustes nesse sentido", disse.

Campos Neto, nesta quinta-feira (28), participou de evento virtual promovido pelo BTG Pactual.

A linha financia até dois meses de folha de pagamento das empresas com faturamento de R$ 360 mil a R$ 10 milhões por ano. Esse grupo é formado por pequenas e uma parte das médias empresas. Com baixa adesão, o governo deve anunciar reformulação.

"Esse programa vai sofrer ajustes que devem ser anunciados na semana que vem para ter um alcance maior. A gente hoje faz uma retrospectiva e vê que realmente o desembolso foi baixo", disse Campos Neto.

"O fato de não poder demitir ninguém fez com que muitas empresas achassem o programa muito restritivo e decidiram não entrar", afirmou.

Hoje, as empresas não podem demitir por igual período do contrato —se o empréstimo for de dois meses, a empresa não pode demitir nos dois meses seguintes, por exemplo.

Até segunda-feira (25), de acordo com dados do BC, apenas 4,75% dos R$ 40 bilhões disponíveis para a linha de crédito destinada a cobrir salários do setor privado foram emprestados.

Ao todo, foram R$ 1,9 bilhão em empréstimos para 78,8 mil empresas. Até agora, 1,2 milhão de funcionários foram beneficiados.

Quando o programa foi lançado, em 27 de março, o BC estimou que cerca de 12 milhões de pessoas e 1,4 milhão de empresas seriam contempladas.

A medida foi lançada pelo BC com o Ministério da Economia e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). O governo entra com 85% dos recursos e os bancos com 15%.

O custo para a empresa, quando anunciado, era igual à taxa básica (3,75% ao ano —a Selic caiu, no começo de maio, para 3% ao ano), sem spread (diferença entre a taxa de captação de recursos e a taxa cobrada em financiamentos) para os bancos, com carência de seis meses para pagar e em 36 parcelas.

Segundo o presidente do BC, mais medidas serão anunciadas. "Entendemos a dificuldade do crédito chegar à ponta, principalmente para empresas pequenas", afirmou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.