Descrição de chapéu Coronavírus

Indústria perde em 3 meses produtividade que levou 2 anos para conquistar

Queda é menor do que a de greve dos caminhoneiros; recuperação, porém, será mais lenta

São Paulo

A paralisação da economia brasileira causada pelo novo coronavírus fez com que o ganho de produtividade da indústria no país nos anos 2018 e 2019 fosse perdido.

O indicador da CNI (Confederação Nacional da Indústria) para a produtividade do setor subiu de 107,7 para 108,6 pontos, em 2018 e, no ano seguinte, para 109,3 pontos. Apenas nos primeiros três meses de 2020, o índice recuou para 107,2 pontos.

“A competitividade da indústria estava se recuperando de modo devagar porque não vínhamos crescendo muito. Em 2018, avançamos 0,8%, e em 2019, 0,6%”, disse Samantha Cunha, economista da CNI.

Essa produtividade perdida nesses três primeiros meses poderia ser recuperada ao longo do ano, como ocorreu em 2018 com a paralisação dos caminhoneiros, e o índice de 2020 fecharia menos distante do nível alcançado em 2019.

Instalações do laboratório de segurança veicular de uma montadora - Eduardo Knapp - 28.mai.15/Folhapress

A economista afirmou, no entanto, que, diferentemente da crise nas estradas há dois anos, a situação atual não traz previsibilidade para que o empresariado aposte em uma retomada tão imediata.

“Caímos 3,3% no segundo trimestre de 2018, mas crescemos 3,4% no terceiro. Aquilo em maio [com os caminhoneiros] foi atípico. Foi um acontecimento muito inesperado, mas que foi pontual e saiu de cenário rapidamente”, disse.

“Agora caímos e vamos ter queda de novo. Temos uma crise por mais tempo, com incerteza sobre a duração dos efeitos. Por isso que no próximo trimestre não vamos ter essa recuperação.”

Na comparação com o trimestre encerrado em dezembro do ano passado, a queda nos três meses até março foi de 2,8%.

A tendência é que a produtividade continue caindo no segundo trimestre, mas de forma menos intensa. A economista da CNI explicou que isso ocorre porque o indicador mede o total produzido pela indústria sobre as horas trabalhadas.

“Inicialmente, quando não há previsão do que vai acontecer, o empresário espera, segura a produção, mas não demite, o que reduz muito o total de bens produzidos, mas ainda há grande número de horas trabalhadas. Isso reduz a produtividade”, disse Cunha.

“No segundo trimestre, nós já vemos as empresas se ajustando, mandando para férias, cortando jornada, demitindo. Isso regula a mão de obra com a produção.”

De forma simples, a maneira de elevar a produtividade pode vir por três caminhos: aumentando a produção com a mesma equipe, reduzindo a equipe e mantendo a produção igual ou reduzindo a equipe e aumentando a produção.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.