XP anuncia oferta de ações e projeta mais do que dobrar lucro no 2º tri

Oferta secundária pode levantar até US$ 1 bilhão para sócios

São Paulo | Reuters

A XP anunciou nesta segunda-feira uma oferta secundária de 19,5 milhões de ações e estimou que o lucro líquido do segundo trimestre pode alcançar até R$ 520 milhões, mais que o dobro do obtido um ano antes.

A oferta terá como vendedores o grupo de controladores da XP, chamado de XP Controle, que inclui o fundador e presidente, Guilherme Benchimol, e a norte-americana General Atlantic.

Considerando o preço máximo por ação (US$ 45,05) e o lote adicional de 2,9 milhões de ações que poderá também ser ofertado, a operação pode levantar até US$ 1 bilhão (R$ 5,4 bilhões) para os sócios.

Os recursos levantados pela XP Controle devem ser utilizados para recompra de participação de sócios que deixaram a empresa e pagamento de impostos, sem qualquer distribuição de lucros para os acionistas.

A operação estaria programada com semanas de antecedência e não teria qualquer relação com o imbróglio com o Itaú. O banco, no entanto, não está listado entre os coordenadores da oferta, que ficará a cargo da XP Investimentos, Morgan Stanley, Goldman Sachs e J.P.Morgan.

Desde o IPO, em dezembro do ano passado, as ações da XP acumulam valorização de 61%. O papel encerrou esta terça-feira em queda de 0,8% na bolsa de Nova York, a US$ 43,52.

A companhia também divulgou projeções sobre seu resultado no segundo trimestre, incluindo estimativa de lucro líquido de R$ 420 milhões a R$ 520 milhões, ante R$ 228 milhões um ano antes.

A expectativa para a margem líquida ajustada é de entre 24% e 28%, contra 20% no segundo trimestre de 2019. Já a previsão para a receita bruta é de salto de R$ 1,85 bilhão a R$ 1,98 bilhão, ante faturamento de R$ 1,236 bilhão um ano antes.

A XP informou ainda que espera registrar em junho entrada líquida de recursos de entre R$ 10 bilhões e R$ 12 bilhões, ante R$ 8,3 bilhões em maio e R$ 6,9 bilhões em abril.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.