Atividade econômica em maio fica abaixo das expectativas do mercado

Analistas esperavam alta de 4,5% no índice calculado pelo BC, mas avanço foi de apenas 1,3%

São Paulo | Reuters

A atividade econômica da economia brasileira medida pelo Banco Central ficou, em maio, abaixo das expectativas de analistas.

A mediana das estimativas de economistas consultados pela Bloomberg era de uma alta de 4,5% do índice de atividade econômica (IBC-Br) na comparação com abril, mas o resultado divulgado nesta terça (14) mostrou uma variação de 1,3%.

A alta ocorre após dois meses de contração recorde do indicador, resultado da paralisação econômica provocada pela pandemia no novo coronavírus.

Na comparação com maio do ano passado, houve recuo de 14,24%—superior ao projetado por analistas, que esperavam um recuo de 11,7% nessa base de comparação. Considerando o acumulado nos últimos 12 meses, o resultado é de queda de 2,08%.

“A semelhança entre o índice de atividade do BCB [Banco Central do Brasil] e o PIB, calculado pelo IBGE, sugere que o segundo trimestre do ano deve apresentar quedas mais severas na atividade do que as vistas no primeiro”, afirmou o Banco Fator em relatório.

A recuperação fraca observada em maio e as expectativas para junho levaram o MUFG (Mitsubishi UFJ Financial Group) a calcular uma retração de 12% no segundo trimestre deste ano em relação ao primeiro.

O BC revisou a queda observada em abril de 9,73% para 9,45%, maior oscilação negativa de toda a série histórica do IBC-Br, iniciada em 2003. Em março, a queda havia sido de 6,14%.

"O aumento da atividade real em maio deveu-se ao relaxamento gradual dos protocolos de distanciamento social e medidas para restringir a atividade e movimento", afirmou o economista do Goldman Sachs Alberto Ramos.

"Embora a pandemia ainda precise ser controlada, dados recentes e algumas de nossas métricas sugerem que a atividade atingiu o fundo do poço e chegou a um ponto de inflexão em algum momento em meados de abril", completou.

O mês de maio já registrou algum retorno da produção econômica, embora ainda em níveis insuficientes para recuperar as perdas anteriores, conforme as medidas de isolamento social começaram a ser gradualmente flexibilizadas.

No mês, a produção industrial do Brasil aumentou 7%, mas ficou longe de reverter a queda de 26,3% acumulada nos meses de março e abril.

As vendas no varejo registraram aumento recorde em maio, de 13,9%, mas a recuperação não foi suficiente para compensar as perdas registradas nos dois meses anteriores. Já o setor de serviços segue em retração.

O Ministério da Economia deve divulgar nesta semana novas estimativas para o PIB deste ano. Até o momento, a projeção é de retração de 4,7%, percentual inferior ao estimado pelo BC (-6,4%), pelo FMI (-9,1%) e analistas de mercado (-6,1%, segundo a pesquisa Focus mais recente).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.