Descrição de chapéu The New York Times

New York Times apresenta Meredith Kopit Levien como presidente-executiva

Ela sucederá a Mark Thompson, executivo que comandou a transição da mídia impressa para a digital

Nova York | The New York Times

Meredith Kopit Levien, vice-presidente de operações do jornal americano The New York Times, foi apresentada nesta quarta-feira (22) como próxima presidente-executiva da companhia, e será a pessoa mais jovem a deter o comando executivo da empresa.

Levien, 49, sucederá a Thompson, presidente-executivo desde 2012, em 8 de setembro. Levien também terá um assento no conselho da organização.

A.G. Sulzberger, publisher e membro do conselho do jornal, definiu Levien como “uma líder brilhante e transformadora”.

Prédio do New York Times em Nova York
Prédio do New York Times em Nova York - Angela Weiss/AFP

“Ela melhorou tudo aquilo em que se evolveu na organização”, disse Sulzberger.

Levien começou no The New York Times em 2013 como vice-presidente de publicidade. Foi promovida a vice-presidente executiva e a vice-presidente de faturamento em 2015, e se tornou vice-presidente de operações em 2017. Isso a posicionou para suceder a Thompson, que ajudou a transformar o The New York Times em uma organização noticiosa cujo foco são as operações digitais.

Em entrevista, Levien disse que era “a maior honra de sua vida” ser apontada para a posição. Ela assumirá o controle dos negócios da empresa em um momento em que uma nação dividida e atingida por uma pandemia inicia os meses finais de uma campanha presidencial.

O conselho da empresa votou por unanimidade promover Levien, em uma reunião na terça-feira (21).

Depois de iniciar sua busca por um novo presidente-executivo cerca de um ano atrás, os membros do conselho concluíram que “ninguém poderia ser melhor”, disse Thompson, 62, em entrevista.

Como presidente-executiva, Levien disse que continuaria a expandir a estratégia da empresa, de “jornalismo por assinatura” em primeiro lugar, um plano que ajudou o The New York Times a suportar uma desaceleração na publicidade e melhorar sua situação financeira.

O jornal recentemente ultrapassou a marca de seis milhões de leitores pagantes, o que o deixa a mais de meio caminho de cumprir sua ambiciosa meta de 10 milhões de assinantes em 2025. O The New York Times sofreu perdas em suas operações publicitárias, com a pandemia. A empresa previu que a receita publicitária continuaria em queda, por até 55% no segundo trimestre de 2020. (Os resultados do segundo trimestre serão anunciados dia 5 de agosto.)

Levien enfatizou que o The New York Times continuaria a investir pesadamente em seu jornalismo, acrescentando que também favorecia a adição de jogos digitais e outras formas de conteúdo não noticioso. Além de sua oferta primária, a companhia também atrai assinantes com um app de palavras cruzadas e um site de culinária.

The New York Times, tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.