Pilotos da Latam rejeitam proposta de acordo coletivo da empresa

Votação terminou nesta segunda (27) com quase 90% de votos contrários

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Pilotos da Latam Brasil rejeitaram proposta de acordo coletivo feita pela empresa em votação online organizada pelo Sindicato dos Aeronatuas (SNA), que representa a categoria. A votação ocorreu entre os dias 23 e 27 de julho.

O percentual de votos contrários foi de 89,3% entre comandantes, 88,9% entre copilotos e 88,6% entre comissários. Os favoráveis foram 10,7%, 11,1% e 11,4%, respectivamente. O sindicato afirma que já informou o resultado à empresa e uma reunião foi agendada para esta terça.

Não há previsão de nova reunião com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), a quem o SNA pediu mediação.

O resultado já era esperado por profissionais da empresa. Os pilotos aceitam uma redução temporária de jornada e salário por 18 meses, mas rejeitam a proposta da Latam de redução permanente na remuneração quando esse período acabar.

Já a companhia vincula um acordo ao outro, diferentemente do que fizeram Azul e Gol, que fecharam apenas acordos temporários com o SNA.

Em processo de recuperação judicial, a Latam Brasil emprega 2.000 pilotos e 5.000 comissários. Segundo a empresa, os ajustes no cálculo da remuneração são necessários para equilibrar seus custos com os das concorrentes, antecipando um período maior disputa no mercado. O setor aéreo foi um dos mais afetados pela crise provocada pela pandemia.

O sindicato reconhece que os salários pagos pela empresa estão acima da média praticada pelas concorrentes, mas atribui essa diferença às rotas internacionais feitas pela Latam, que envolvem aviões superiores e voos mais longos.

Segundo Ondino Dutra, presidente do SNA, a mudança permanente proposta pela companhia poderia levar a uma redução de até 60% dos ganhos de pilotos e copilotos, cujo salário médio líquido atualmente gira em torno de R$ 25 mil e R$ 12 mil, respectivamente, segundo Dutra.

A Latam nega que a proposta acarrete esse percentual de redução, mas não revela de quanto seria. A empresa afirma que as rotas internacionais foram as mais prejudicadas pela pandemia e as que demorarão mais tempo para se recuperar, fazendo com que o baque sobre a companhia seja maior do que nas suas concorrentes.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.