BID precisa continuar com um latino-americano no comando

Objeção a nomeação de americano é por desconsideração de um compromisso de 60 anos

VÁRIOS AUTORES (nomes ao final do texto)

Enquanto as instituições multilaterais tentam reagir aos desafios globais sem precedentes de hoje, uma que já funciona bem é o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

Criado em 1959, com sede em Washington, o BID é amplamente reconhecido por seu importante papel em apoiar os esforços para reduzir a pobreza e a desigualdade na América Latina de uma maneira sustentável e em facilitar a cooperação econômica interamericana.

Mas a iniciativa sem precedentes do presidente Donald Trump de colocar um americano na presidência do BID corre o risco de alienar a região e politizar essa instituição bem-sucedida. Sessenta anos de tradição de liderança latino-americana no BID não deveriam ser derrubados nas eleições presidenciais do banco, atualmente marcadas para meados de setembro.

Como a maior fonte de financiamento para o desenvolvimento em nosso hemisfério, o BID canaliza cerca de US$ 12 bilhões por ano em empréstimos para países latino-americanos e caribenhos para apoiar projetos bem revisados em infraestrutura, modernização do Estado, educação e programas sociais.

Anualmente, o BID financia mais projetos na América Latina do que qualquer outro banco de desenvolvimento multilateral, incluindo o Banco Mundial, e construiu relacionamentos e uma reputação de solução de problemas e parcerias público-privadas que contribuem de maneira importante para o
desenvolvimento da região.

A importância do banco, além disso, deveria ser ainda maior no futuro, enquanto a América Latina enfrenta o triplo golpe da Covid-19 (com 28% das mortes mundiais até agora), a mais acentuada crise econômica de qualquer região em desenvolvimento (projetada como contração de 9,4% neste ano) e sérios tumultos sociais em muitos países, alimentados pela profunda frustração da classe média que retorna
à pobreza e à precariedade.

Esse é o contexto da indicação sem precedentes pelo governo Trump, neste mês, de um cidadão americano —um assessor da Casa Branca— para servir como quinto presidente do BID, e o primeiro dos Estados Unidos.

O anúncio surpreendente provocou uma tempestade de reações negativas na América Latina. Cinco recentes presidentes latino-americanos —Fernando Henrique Cardoso, do Brasil, Ernesto Zedillo, do México, Ricardo Lagos, do Chile, Juan Manuel Santos, da Colômbia, e Julio Sanguinetti, do Uruguai—, todos estadistas destacados e calorosos amigos dos EUA, emitiram uma forte declaração em oposição.
E na semana passada o presidente conservador do Chile, Sebastián Piñera, pediu o adiamento da eleição para 2021. A União Europeia está fazendo lobby entre seus membros que são acionistas do BID para que apoiem o adiamento.

O governo Trump pressiona os governos latino-americanos a votar em setembro e apoiar a indicação, apresentando como isca a próxima renovação do capital do banco e ameaçando reter a ajuda pós-pandemia, na tentativa de garantir votos. Mas a oposição a essa nomeação cresce, especialmente na Argentina, no México e no Peru, com a do Chile já anunciada.

Isso não tem a ver com o indicado por Trump, que tem um passado relevante em assuntos econômicos, financeiros e internacionais, embora, diferentemente do atual e de passados presidentes do BID, não tenha servido como ministro e não teria o mesmo peso.

Mas a principal objeção a essa nomeação é que ela desconsidera um compromisso e uma prática de 60 anos, iniciada sob os auspícios do presidente Dwight Eisenhower, segundo a qual o banco teria sede em Washington, seu presidente seria latino-americano, e seu vice-presidente-executivo (diretor de operações), um cidadão americano.

Essa fórmula funciona bem há seis décadas, em que os países latino-americanos aumentaram sua contribuição de capital e sentido de propriedade e tornaram os empréstimos e os programas do banco cada vez mais eficazes.

Os EUA são o maior contribuinte e acionista individual do BID, mas a decisão de Eisenhower de concordar com a liderança latino-americana do banco é coerente com a abordagem tradicional dos EUA às organizações multilaterais que o país promoveu no pós-Guerra —influência, sim, mas o domínio de um país, não.

Alguns poderão pensar que a iniciativa sem precedentes do governo Trump de pôr um americano na presidência do BID seja uma forma de contrabalançar a crescente influência da China na América Latina.
A maneira correta de conter o poderio chinês, entretanto, não é sequestrar uma instituição multilateral bem-sucedida, e sim reforçar a importante cooperação interamericana para suprir as necessidades econômicas e sociais.

Nomear um americano como chefe do BID pouco antes da eleição presidencial nos EUA corre o risco de marginalizar e politizar a instituição, ainda mais se os eleitores americanos definirem uma nova direção em novembro.

A pandemia fez adiar muitas reuniões multilaterais, ou as tornou virtuais. O Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento, por exemplo, adiou sua reunião anual. O BID postergou por seis meses seu encontro anual de setembro pelo mesmo motivo. Também deveria adiar para março de 2021 a votação para eleger seu novo presidente. Esse é o passo prudente.

E nessa ocasião o governo americano, liderado por Trump ou por Joe Biden, deverá retornar à norma de que o presidente do BID seja um latino-americano. Se não está quebrado, não conserte.

Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves

George Shultz

Ex-secretário de Estado dos EUA

Thomas F. McLarty

Ex-chefe de gabinete da Casa Branca e enviado especial para as Américas

Carla A. Hills

Ex-representante comercial dos EUA

Abraham Lowenthal

Presidente emérito do Conselho do Pacífico para Política Internacional

Nelson W. Cunningham

Ex-assessor especial do presidente

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.