Lucro do Banco do Brasil tem nova queda no 2º tri com aumento das reservas para calotes

Resultado do banco público ficou em R$ 3,3 bilhões; provisões alcançam R$ 5,9 bilhões

São Paulo

O Banco do Brasil registrou um lucro líquido ajustado de R$ 3,3 bilhões no segundo trimestre deste ano, uma queda de 25,3% em relação a igual período de 2019. Em relação aos primeiros três meses deste ano, o recuo foi de 2,5%.

A queda no resultado veio mais uma vez em função da maior reserva contra calotes, que subiu 42,4%, para R$ 5,9 bilhões. No primeiro trimestre, o BB já havia aumentado suas provisões em 63,3%, para R$ 5,5 bilhões – movimento que levou o lucro do período para R$ 3,4 bilhões, queda de 20,1% na mesma relação.

O Banco do Brasil é o último dos quatro grandes bancos de capital aberto do país a divulgar seu resultado do primeiro trimestre. O resultado do banco público acompanha o de seus pares privados: Bradesco, Itaú e Santander também demonstraram lucros menores no segundo trimestre devido às maiores reservas para calotes.

Banco do Brasil registra nova queda nos resultados como reflexo do aumento das reservas para cobrir calotes
Banco do Brasil registra nova queda nos resultados como reflexo do aumento das reservas para cobrir calotes - Amanda Perobelli - 24.mar.2020/Reuters

A alta das provisões acontece como forma de prevenção contra um possível crescimento na inadimplência nessas instituições, decorrentes da crise do coronavírus.

Segundo o presidente do BB, Rubem Novaes, o aumento das provisões nos primeiros seis meses deste ano foi uma atitude conservadora e há expectativa de diminuição das reservas e melhora no desempenho do banco ao longo do segundo semestre.

"O desempenho não só da economia, mas também da nossa clientela está sendo bem melhor do que o esperado. Estamos tendo resultados melhores do que a expectativa e, como continuamos muito cuidadosos na oferta de crédito, mantendo nossos parâmetros de exigência, tudo indica que o segundo semestre possa ser melhor do que o primeiro", afirmou Novaes.

Segundo relatório divulgado nesta quinta-feira (6), o principal motivo para o aumento das provisões no período foram as perdas por imparidade (redução do valor de um ativo), que demonstrou uma baixa de R$ 1,3 bilhão –o triplo do registrado no segundo trimestre de 2019.

Segundo o banco, o aumento aconteceu no segmento de grandes empresas por ativos que já eram classificados como problemáticos.

No caso do BB, as perdas com imparidade agrupam as perdas permanentes em títulos e valores mobiliários, as despesas com reservas por imparidade e o resultado negativo de operações de venda ou transferência de ativos financeiros.

Parte do resultado também está atrelada às concessões de crédito feitas pelo banco – que também incluem a prorrogação de prazos de pagamentos e as renegociações feitas para conter os efeitos da crise.

A carteira de crédito do BB ficou em R$ 721,6 bilhões, um aumento de 5,1% em relação ao segundo trimestre de 2019. No período, os empréstimos para pessoas físicas registraram alta de 6,6%, para R$ 218 bilhões, enquanto o crédito para empresas subiu 5,3%, para R$ 271,4 bilhões. O crédito voltado para o agronegócio subiu 1,1%, para R$ 186,8 bilhões.

Em relação ao primeiro trimestre, no entanto, a carteira de crédito do banco público teve queda de 0,5%.

“Dado o atual cenário da pandemia, algumas linhas de negócios foram impactadas negativamente no trimestre”, afirmou o banco em relatório, explicando que a redução na carteira de pessoas físicas e jurídicas pode ser explicada principalmente pelo menor consumo com cartão de crédito.

“O menor consumo com cartão de crédito pelas famílias impactou também as linhas de recebíveis das empresas, que caíram 40,9%”, escreveu o BB.

Em relação aos próximos meses, o vice-presidente de gestão financeira e relações com investidores do BB, Carlos Hamilton, afirmou que apesar de o banco ter parado de dar projeções futuras devido ao momento incerto de crise do coronavírus, algumas sinalizações já começam a aparecer.

"Durante a crise houve um aumento na demanda por crédito por parte das grandes empresas, em um movimento naturla de reforço de caixa. Mas na medida que o mercado de capitais retome o dinamismo que vínhamos observando antes da pandemia, é plausível supor que parte da demanda por crédito dessas companhias seja revertida [para captação de recursos em mercado de capitais], representando uma redução na carteira desse segmento", afirmou.

Ele afirma, ainda, que os empréstimos para micro, pequenas e médias empresas também deve refletir um aumento. "Já estamos antecipando um crescimento [da carteira] em função do Pronampe [Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte]. Em julho, por exemplo, em menos de uma semana, o BB proveu mais de R$ 5,2 bilhões para o segmento", disse Hamilton.

O banco afirma também que as renegociações e prorrogações de prazos como forma de conter os impactos do coronavírus também influenciaram em uma redução da inadimplência observada pelo banco até agora.

Os grandes bancos ofertaram a possibilidade de prorrogar operações de crédito por até 180 dias diante da crise. No caso do BB, o saldo das operações de crédito prorrogadas totalizou R$ 71,8 bilhões em junho, o que representa 11,6% da carteira de crédito interna do banco.

Desse total, 98,4% das operações possuem boa avaliação de risco de crédito e 98,8% não tinham histórico de atraso nos últimos 12 meses. Além disso, 69,1% estão atreladas a garantias e mitigadores de risco. O tempo médio de relacionamento dos clientes que prorrogaram operações é de 14,3 anos.

Segundo o banco, de 16 de março a 30 de junho, foram registrados mais de R$ 171 bilhões em desembolsos, incluindo novas operações, renovações, prorrogações e renegociações

O índice de atrasos acima de 90 dias do banco público ficou em 2,84%, queda de 0,41 p.p. (ponto percentual) em relação ao segundo trimestre de 2019.

A redução da demanda por produtos e serviços bancários, somada às consecutivas quedas da taxa básica de juros (Selic), hoje em 2% ao ano, também foram responsáveis por uma redução de 6,4% nas receitas com tarifas do banco, para R$ 7 bilhões.

A maior queda nos ganhos com tarifas do banco veio com das receitas com mercado de capitais, que caíram 59,2% no período. Serviços de comércio exterior e processamento de convênios também estavam entre as maiores reduções do período, de 24,4% e 23,4%, respectivamente.

"As condições que estão pressionando os bancos nas receitas com tarifas continuam aí. Novos entrantes, mudanças regulatórias, mudanças tecnológicas e as taxas de juros em patamares mínimos, que coloca pressão na gestão de fundos. Os preços continuarão sendo desafiados nos próximos trimestres", disse Hamilton

“No médio prazo, as receitas com prestação de serviços apresentam desafios pelos próprios movimentos da indústria financeira, entretanto, a administração do banco vem buscando desenvolver novo portfólio de produtos e serviços e novas formas de rentabilizar o relacionamento com seus clientes, seja pelo aumento de consumo de produtos e serviços ou pelo desenvolvimento de novos modelos de negócios”, afirmou o banco em relatório.

A margem financeira líquida (receita com operações de crédito) do banco ficou em R$ 8,6 bilhões, queda de 7%.

Este é o último balanço do banco na gestão de Rubem Novaes, que entregou seu pedido de renúncia ao cargo no final de julho. O executivo André Brandão, do HSBC, é cotado para assumir o lugar de Novaes na presidência do BB.

Desinvestimentos

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, também afirmou nesta quinta-feira que o banco contratou, junto ao Bradesco, uma consultoria para examinar uma possível separação dos negócios conjuntos das duas instituições na Cielo e na EloPar.

"Dentro desse mundo da EloPare da Cielo existe muita coisa, muitos negócios. Em alguns, o Bradesco tem mais interesse e, em outros, somos nós. Estamos com uma consultoria contratada para examinar quais os melhores caminhos a serem tomados e como isso se destrincha. Nada será decidido sem que haja interesse de ambas as partes", afirmou Novaes sem dar mais detalhes.

O presidente do BB já havia afirmado que as negociações sobre os desinvestimentos do banco público tinham sido pausados diante do agravamento da pandemia do coronavírus. A expectativa, agora, é de retomar as discussões até o quarto trimestre deste ano ou até março de 2021, a depender da recuperação da economia.

"Em relação ao Banco Votorantim [atual BV], nós já estávamos com o IPO [abertura de capital] todo programado quando tivemos que enfrentar essa crise. Pode ser que a gente consiga retomar essa conversa lá perto do final do ano se o mercado [de capitais] realmente firmar. Os resultados do Votorantin também parece que vão melhorar e isso é importante para que haja um IPO bem sucedido", afirmou Novaes.

Ele afirma que o mesmo vale para as negociações com a BB DTVM (braço de gestão de recursos e administração de fundos do banco) e com o BB Americas (subsidiária nos EUA).

"Já tínhamos interessados fazendo due diligence [processo de análise de uma oportunidade de negócio feita para avaliar possíveis riscos e potenciais da transação], mas foi tudo paralisado. Já no banco de investimentos, nós só estamos aguardando a licença do Banco Central para começarmos a operar a joint venture [associação entre empresas] com o UBS", disse o presidente do BB.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.