Bolsonaro diz ter recusado proposta de Guedes para Renda Brasil

Em evento em Minas Gerais, presidente afirma que não pode 'tirar de pobres para dar a paupérrimos'

Ipatinga (MG)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que recusou a proposta enviada pela sua equipe econômica do Renda Brasil, reformulação do Bolsa Família.

Ele participou, nesta quarta (26), de cerimônia de retomada de funcionamento de um alto forno da Usiminas, em Ipatinga (MG), fechado em decorrência da pandemia.

"Ontem discutimos a possível proposta do renda Brasil e eu falei 'tá suspenso'. Vamos voltar a conversar. A proposta que a equipe econômica apareceu pra mim não será enviada ao parlamento. Não posso tirar de pobres para dar para paupérrimos", disse.

O presidente Jair Bolsonaro disse que não enviará proposta do Ministério da Economia pois seria "tirar dos pobres para dar para paupérrimos" - Evaristo Sa/AFP

O ministro Paulo Guedes (Economia) avisou ao presidente Jair Bolsonaro que o novo programa social do governo só terá benefício médio superior a R$ 300 se as deduções do IR (Imposto de Renda) da pessoa física forem extintas.

O presidente falou do auxilio emergencial de R$ 600 em tom de autoelogio ao seu governo, sem saber ainda precisar o valor do benefício que continuará até o fim do ano. "Resolvemos estender até dezembro. O valor não será R$ 200 nem R$ 600", disse. "Lamentavelmente como é emergencial, tem que ter um ponto final." Segundo ele, o auxílio "é pouco para quem recebe, mas muito para um país que se endivida".

O presidente ainda disse que a tendência para 2020 era de que o país crescesse 3%. "Mas infelizmente apareceu um imprevisto, o tal do vírus que veio de fora", disse.

Para a reformulação do Bolsa Família, que passará a se chamar Renda Brasil, Guedes apresentou propostas de parcelas entre R$ 240 e R$ 270, a depender do desenho da assistência e da extinção de outros programas. Bolsonaro pressiona para que o valor chegue a pelo menos R$ 300.

Membros do governo afirmam que a insistência de Bolsonaro em estabelecer uma agenda social mais robusta é uma tentativa de segurar sua popularidade em alta e construir um caminho para a reeleição.

Pesquisa Datafolha mostrou que a aprovação do presidente registrou alta após a liberação do auxílio emergencial, especialmente no Nordeste.

Segundo relatos feitos à Folha, o desenho elaborado pelos ministérios da Economia e da Cidadania prevê reformulação ou extinção de até 27 programas e benefícios da área social para criar o Renda Brasil. Mesmo no cenário mais amplo, o novo benefício não chegaria a R$ 300. Hoje o valor mensal médio do Bolsa Família é de R$ 190. ​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.