O 'Lobo de Wall Street' vai ensinar novatos a negociar

Jordan Belfort ganhou esse apelido por vender ações sem valor a investidores de varejo na década de 1990

Richard Henderson
Nova York | Financial Times

O "Lobo de Wall Street" se inscreveu como treinador na RagingBull, uma plataforma de treinamento de corretagem de ações nos Estados Unidos que tem atraído críticas por suas táticas de vendas com alta pressão.

Jordan Belfort ganhou esse apelido por vender ações sem valor a investidores de varejo na Stratton Oakmont, corretora que dirigiu na década de 1990, que foi descrita como "uma 'sala de caldeiras' por excelência" pela Comissão de Valores Mobiliários. Ele foi mandado para a prisão e impedido de se associar a qualquer corretora, distribuidora, empresa de investimentos ou consultoria.

Agora, vai "compartilhar seus setores de negócios favoritos" com investidores de varejo e ensiná-los a "aprender com seus erros" e "aproveitar oportunidades" em uma série de vídeos, disse a RagingBull na quarta-feira (19). A empresa acrescentou que ele não dará aconselhamento sobre ações, empresas ou estratégias de investimento específicas.

Jordan Belfort, também conhcido por 'Lobo de Wall Street'
Jordan Belfort, também conhcido por 'Lobo de Wall Street' - Jason Reed/Reuters

Os crimes de Belfort foram narrados em um filme de Martin Scorsese de 2013, estrelado por Leonardo DiCaprio. Ele lançou um negócio de coaching de vendas depois que saiu da prisão, em 2005.

O anúncio de sua contratação é feito um dia depois que o mercado de ações dos Estados Unidos atingiu uma nova alta, chegando ao topo de uma rápida recuperação das quedas de março, o que atraiu um número recorde de investidores diários, incluindo muitas empresas, pela primeira vez.

"O mercado foi inundado com novas contas e corretores, e muitos deles não sabem o que estão fazendo", disse Belfort.

A RagingBull não é supervisionada pelos reguladores de valores mobiliários dos Estados Unidos e "não é licenciada nem qualificada para fornecer consultoria de investimento", afirma a empresa em seu site. Em vez disso, uma "equipe de especialistas" sem experiência profissional em investimentos apresenta treinamento online por assinaturas anuais de até US$ 2.000, de acordo com a empresa.

Os tutores incluem Jeff Bishop, que a empresa descreve como "um membro vitalício da MENSA, a sociedade de alto QI", e Jason Bond, ex-professor de educação física que afirmou em um vídeo promocional ser "conhecido como o melhor treinador de corretores de ações em todo o mundo".

A dupla lançou a empresa com sede em Lee, New Hampshire, em 2011.

A RagingBull tem enfrentado críticas por causa de dezenas de e-mails promocionais diários enviados aos clientes, atrasos no pagamento de reembolsos e por solicitar que os clientes assinem acordos de não divulgação antes de receberem seu dinheiro de volta.

A empresa foi alvo de 148 reclamações ao Better Business Bureau dos EUA, um grupo sem fins lucrativos de direitos do consumidor. A RagingBull disse que muitas das reclamações eram relacionadas a problemas de atendimento ao cliente e que "quase todas" foram resolvidas após um recente aumento no número de funcionários.

Keith Elliott, um operário de construção aposentado em Angleton, cidade da Colúmbia Britânica (Canadá), tentou por 17 vezes, sem sucesso, cancelar a renovação automática para um conjunto de serviços que totalizava US$ 4.000. Ele pagou à empresa mais de US$ 14.000 por treinamento nos últimos três anos e disse que poucos serviços se mostraram úteis. "Definitivamente, não ganhei nenhum dinheiro por cortesia da RagingBull", disse ele ao Financial Times.

Tom Steel, aposentado em Palm City, na Flórida, pagou US$ 199 para receber quatro ideias comerciais de Bishop, mas recebeu apenas duas. Seu pedido de reembolso foi recusado até que ele entrou com uma queixa no Better Business Bureau e na Justiça de New Hampshire. "Você é constantemente bombardeado por e-mails para se inscrever em outras coisas que custam milhares de dólares", disse Steel.

O marketing da empresa é "uma máquina bem azeitada", disse Sydney Budina, uma corretora de imóveis em Miami que pagou US$ 2.999 em 2017 por dicas para negociar ações de biotecnologia. No ano seguinte, ele foi cobrado pelo mesmo valor novamente, apesar de ter optado por sair do programa. A empresa lhe ofereceu um reembolso em troca da assinatura de um acordo de sigilo, que ele recusou. Desde então, ele lançou um site para destacar as queixas dos clientes do RagingBull.

A empresa disse que os usuários podem cancelar a assinatura de e-mails de marketing e que sua equipe de atendimento ao cliente pode ajudar as pessoas a desativar a função de renovação automática.

"A RagingBull não dá dicas de ações", disse Bishop. "Ensinamos estratégias e permitimos que os membros observem nossas estratégias em tempo real. Francamente, algumas negociações simplesmente não ganham."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.