Indústria foi o setor mais afetado, com queda de 12,3%

Segundo IBGE, recuo foi disseminado no setor; agropecuária cresceu 0,4%

Rio de Janeiro e São Paulo

Com a paralisação quase total da indústria automobilística e cortes na produção de artigos considerados supérfluos, a indústria brasileira recuou 12,3% no segundo trimestre. Foi o maior recuo entre os setores pesquisados para o cálculo do PIB (Produto Interno Bruto).

A queda foi disseminada em todos os subsetores divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no formato atual, em 1996. No primeiro trimestre, a indústria já havia recuado 1,4%, sob os primeiros efeitos da pandemia em suas atividades.

A indústria da transformação (-17,5%) teve o maior recuo, com forte impacto da podução de bens duráveis e de máquinas e equipamentos, disse a gerente de Contas Trimestrais do IBGE, Rebeca Palis. A indústria de transformação é a que tem o maior peso no setor.

O recuo teve forte impacto de cortes na produção de automóveis e da indústria têxtil, por exemplo. São segmentos com maior dependência do consumo das famílias, que caiu 12,5% no trimestre.

No início da pandemia, com estoques em alta e concessionárias fechadas, as montadoras chegaram a fechar 64 das 65 fábricas do país. As operações vêm sendo retomadas, mas em ritmo menor e muitas demissões.

Por outro lado, diz a gerente do IBGE, houve crescimento em atividades ligadas ao consumo essencial, como alimentos, produtos farmacêuticos e de limpeza. Pesquisas mensais do instituto já mostravam que o desempenho do setor é desigual, com maior impacto em produtos considerados supérfluos ou que tenham maior dependência do comércio de rua.

A indústria da construção fechou o trimestre em queda de 5,7%, puxada principalmente pela falta de investimentos em infraestrutura. "É uma atividade que já vem sofrendo há algum tempo", comentou Palis.

A produção de energia, água e esgoto caiu 5,5%, com a redução da demanda por eletricidade nos primeiros meses de pandemia. Já a indústria extrativa teve queda de 1,1%.

Nos dois casos, os dados posteriores ao fim do segundo trimestre já mostram recuperação a níveis anteriores à pandemia. No caso da eletricidade, a expectativa é que o consumo de agosto seja maior do que a do mesmo mês do ano anterior.

No petróleo, a Petrobras exportou em agosto um volume de petróleo muito próximo ao recorde estabelecido em dezembro de 2019. A estatal chegou a reduzir sua produção no início da pandemia, mas reverteu a decisão ao perceber grande procura pelo óleo brasileiro, que tem baixo teor de enxofre e produz combustíveis menos poluentes.

De acordo com o IBGE, a agropecuária manteve-se em alta, como no primeiro trimestre, quando cresceu 0,6%, e fechou o segundo trimestre em alta de 0,4%.

Linha de montagem de motos na fábrica da Honda no distrito industrial da Zona Franca Manaus - Lalo de Almeida - 5.ago.2020/Folhapress
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.