Descrição de chapéu

Parceria entre GM e Honda pode ser primeiro passo para aliança global

Montadoras seguem tendência e se unem para reduzir custos de produção e desenvolvimento

São Paulo

A parceria entre General Motors e Honda anunciada nesta quinta (3) segue a onda de alianças na indústria automotiva, que muda para cortar custos.

As despesas aumentaram no século 21: é preciso gastar bilhões de dólares para atender às necessárias normas de redução de emissões e de aumento da segurança dos veículos.

A princípio, o acordo é válido para a América do Norte. A relevância pode ser medida apenas pelos dados dos Estados Unidos: somadas, as montadoras que agora se unem comercializaram cerca de 4,5 milhões de automóveis neste mercado em 2019.

Para comparar, 2,26 milhões de carros de passeio foram vendidos por todas as marcas no Brasil ao longo do ano passado.

As empresas japonesa e americana já haviam dado um passo importante em abril, quando anunciaram o desenvolvimento conjunto de veículos elétricos com plataforma General Motors.

O assunto perdeu relevância diante da pandemia do novo coronavírus, mas agora ganha ares globais. A América do Norte pode ser apenas o primeiro passo.

O comunicado divulgado pelas montadoras diz que “o escopo da aliança proposta inclui uma gama de veículos a serem vendidos sob as marcas distintas de cada empresa, bem como cooperação em compras, pesquisa e desenvolvimento e serviços conectados”. O discurso se alinha com o que foi dito por outras fabricantes que passam pelo mesmo processo de união estável.

A estrutura atual do setor automotivo reforça a expectativa de um avanço da parceria em outros mercados, incluindo o brasileiro. Grande parte dos produtos Honda e GM desenvolvidos e comercializados nos EUA, no México e no Canadá chegam ao mercado sul-americano.

O trabalho em conjunto na área de engenharia terá início em 2021. Portanto, em um futuro não tão distante, os modelos Chevrolet Cruze e Honda Civic deverão compartilhar a mesma base e ganhar opções híbridas e elétricas mais modernas. O mesmo pode ocorrer com as próximas gerações dos utilitários compactos Tracker e HR-V.

O casamento não causa estranheza no setor automotivo. As montadoras americana e japonesa têm projetos em conjunto desde o início dos anos 2000, com foco no desenvolvimento de pilhas de combustível e de tecnologia para a automação dos carros.

“Esta aliança ajudará a acelerar o investimento em futuras inovações em mobilidade, disponibilizando recursos adicionais. Dado nosso forte histórico de colaboração, as empresas perceberam sinergias significativas no desenvolvimento do portfólio atual de veículos”, disse Mark Reuss, presidente da General Motors, por meio de comunicado.

Em discurso ensaiado, Seiji Kuraishi, vice-presidente executivo da Honda Motor Co. confirmou as pretensões da parceria. “Combinando os pontos fortes de cada empresa e determinando cuidadosamente o que faremos por conta própria e o que faremos em colaboração, nos esforçaremos para construir uma relação ganha-ganha para criar novo valor para nossos clientes.”

A evolução das plataformas automotivas permite o ”ganha-ganha” mencionado por Kuraishi. É possível construir carros visualmente diferentes sob uma mesma base e na mesma linha de produção, o que proporciona ganho de escala.

Esses produtos compartilhados podem ser híbridos, elétricos ou equipados apenas com motores a combustão. As novas arquiteturas permitem essa flexibilidade sem que seja preciso trabalhar em diferentes áreas de montagem. É o ápice do sistema criado por Henry Ford (1863-1947).

Grosso modo, as economias no processo estão sob as carrocerias, distante dos olhos de consumidores mundo afora.

Ao compartilhar pesquisa e desenvolvimento, as empresas também conseguem reduzir o tempo necessário até que um novo carro seja lançado, o que também significa redução de custos. Contudo, surge a preocupação com os empregos na indústria.

A Honda e suas subsidiárias têm 60 fábricas em 27 países, que geram mais de 208 mil empregos.

A GM vem reduzindo seu quadro de pessoal ano após ano, dentro de uma estratégia de encerramento ou venda de marcas e fábricas. Em 2016, a empresa americana tinha 225 mil funcionários mundo afora. Em 2019, o número havia caído para 164 mil.

A redução não se deve somente a demissões. A venda da divisão europeia (Opel e Vauxhall) para o grupo PSA Peugeot Citroën, em 2017, levou à desvinculação de milhares de operários, que passaram para a folha de pagamento do grupo francês.

Mas como todo movimento que busca reduzir custos, há o risco de cortes em massa na América do Norte, o que já movimenta os sindicatos locais.


MONTADORAS ACELERAM PARCERIAS E FUSÕES

  • Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi – Após um período de crise no relacionamento que teve episódios como a prisão do executivo Carlos Ghosn, as montadoras seguem com a parceria global iniciada em 1999 (a Mitsubishi entrou em 2016). Embora a fusão desejada pela Renault esteja distante de ocorrer, as empresas devem aumentar a sinergia de produtos nos próximos anos
  • Ford e Volkswagen – A parceria anunciada em janeiro de 2019 está perto de se materializar em produtos. A primeira etapa será a apresentação de veículos comerciais, a começar por uma plataforma unificada de vans e de picapes médias –os modelos estreiam entre 2021 e 2022. Em junho, as montadoras confirmaram que a parceria será estendida para o desenvolvimento conjunto de automóveis elétricos
  • Toyota e Suzuki – As montadoras anunciaram a aliança global em agosto de 2019. Já havia parceria desde 2016, com a produção pontual de modelos compactos na Ásia. O acordo atual é de longo prazo e prevê o desenvolvimento comum de produtos, incluindo modelos elétricos. É possível que, em médio prazo, ocorra a fusão das empresas
  • FCA Fiat Chrysler e PSA Peugeot Citroën – A fusão de US$ 50 bilhões anunciada em outubro de 2019 irá gerar produtos que já rodam em testes no Brasil. A versão turbo do novo Peugeot 208 terá motor 1.3 desenvolvido pela Fiat, enquanto os futuros compactos da marca italiana usarão plataformas do grupo PSA

Fontes: Oica, Focus2Move e montadoras

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.