Arezzo&Co e Reserva anunciam combinação das marcas

Fundador da Reserva será presidente do novo grupo, batizado de AR&Co

São Paulo

O grupo Arezzo&Co anunciou nesta sexta-feira (23) uma combinação de negócios com a marca carioca Reserva. O objetivo da Arezzo é passar a comercializar itens de moda feminina, masculina e infantil, incluindo roupas e acessórios.

A incorporação das empresas permitirá que o grupo Arezzo&Co, que reúne as marcas Arezzo, Schutz, Anacapri, Alexandre Birman, Fiever, Alme e Vans, se una às seis marcas da Reserva (a própria Reserva, Reserva Mini, Oficina Reserva, Reserva Go, EVA e INK).

As empresas seguem vendendo suas linhas separadamente. Elas só passam a fazer parte do mesmo grupo, o que é conhecido no mercado como "house of brands" (casa das marcas, em tradução livre).

A transação teve custo total de R$ 715 milhões. Desse montante, R$ 225 milhões foram pagos em dinheiro e o restante em ações da Arezzo&Co.

O empresário Alexandre Birman, dono do grupo Arezzo
O empresário Alexandre Birman, dono do grupo Arezzo - Keiny Andrade/Folhapress

Com isso, segundo a Arezzo&Co, o mercado da companhia será ampliado em quase quatro vezes, já que a empresa passará a vender o que chamou de "look completo" para seus clientes.

Na Bolsa de Valores brasileira, as ações da Arezzo chegaram a subir 16,55% nesta sexta, mas fecharam em alta de 16%, a R$ 61, enquanto o Ibovespa caiu 0,6%, a 101 mil pontos.

A empresa também afirma que após a conclusão da incorporação, o braço de lifestyle será batizado de AR&Co, combinação das iniciais de Arezzo&Co e Reserva e de seus líderes, Alexandre Birman e Rony Meisler.

Meisler, sócio-fundador da Reserva, assumirá como presidente da AR&Co. Os principais acionistas e executivos da marca carioca permanecerão no grupo e a sede da empresa seguirá no Rio de Janeiro.

A efetivação da operação ainda está sujeita a determinadas condições, incluindo a avaliação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Colaborou Júlia Moura

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.