Secretário do Tesouro já considera governo entrar em 2021 sem Orçamento aprovado

Funchal diz que PLDO precisa ser votado neste ano para despesas serem autorizadas

Brasília

O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, já trabalha com o cenário de o governo entrar em 2021 sem ter o Orçamento aprovado.

Para os gastos não ficarem bloqueados, ele diz que é preciso ser votado até dezembro ao menos o PLDO (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2021, que estabelece metas fiscais para o ano e é uma etapa anterior ao Orçamento em si.

“Vai ter que votar pelo menos a LDO”, afirmou em evento virtual promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo. “[Se não aprovar], não gasta, o incentivo é esse. Tem que votar, não tem jeito”, disse.

O PLDO foi enviado pelo governo ao Congresso em abril e até agora aguarda designação de relator. Segundo Funchal, a não aprovação neste ano poderia bloquear a execução de gastos públicos no ano que vem.

Bruno Funchal, novo secretário do Tesouro Nacional
Bruno Funchal, novo secretário do Tesouro Nacional - Edu Andrade - 14.abr.20/Ascom

A proposta de LDO enviada pela equipe econômica tem uma inovação importante a ser discutida pelos parlamentares, que é uma meta fiscal flexível para 2021. Ela dependerá das receitas projetadas menos as despesas a serem apuradas no teto dos gastos públicos.

Já a aprovação do Orçamento de 2021 é cada vez mais vista por governo e parlamentares como algo a ocorrer somente no ano que vem. Nesse caso, a preocupação é menor porque a legislação autoriza o Executivo a gastar parcialmente até que o texto seja aprovado pelo Congresso.

Mas, de qualquer forma, a não aprovação das peças orçamentárias contribui para a incerteza acerca da execução de despesas e dos rumos fiscais do país após a pandemia. O programa social Renda Cidadã, por exemplo, depende de eliminação de despesas para caber dentro do teto de gastos, mas até agora nem governo e nem Congresso anunciaram uma solução definitiva sobre onde cortar recursos.

Funchal disse que a pandemia do coronavírus e os gastos expressivos da União em 2020 geraram incerteza sobre os rumos fiscais do país, mas que é preciso reforçar a mensagem de respeito à legislação sobre as contas públicas e, em especial, ao teto de gastos.

Diante das dúvidas, os investidores vêm cobrando taxas mais altas para financiar o país em prazos mais longos e o Tesouro vem, por isso, preferindo a emissão de títulos mais curtos.

Conforme os técnicos do Tesouro já afirmam há alguns meses em suas apresentações, há um expressivo volume de vencimentos a serem pagos pela União até abril. Segundo eles, há dinheiro em caixa suficiente para esse período, mas é preferível reforçar o colchão.

“A gente chega ao fim do ano em situação confortável, mas é sempre bom reforçar o colchão pois dá mais flexibilidade para a gestão da dívida”, afirmou.

De acordo com Funchal, pode contribuir para o reforço um retorno das devoluções de dívidas do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e de outros bancos à União, que foram interrompidas em 2020.

“No fundo, essa devolução do BNDES, da Caixa e da antecipação dos instrumentos híbridos é exatamente a devolução que estava sendo feita em 2019. Em 2020, foram suspensas essas devoluções. Mas em 2021, retornamos à realidade e ao cronograma”, afirmou.

Ele lembrou que em 2019 foram devolvidos R$ 100 bilhões pelo BNDES ao Tesouro, mas disse que ainda não se sabe quanto seria devolvido em 2021, e que as conversas dependem de negociações com o BNDES.

Também pode ser feita uma nova transferência do saldo da reserva de resultado cambial do Banco Central ao Tesouro, medida já tomada neste ano e que, conforme o Ministério da Economia afirmou há menos de dois meses, pode ocorrer novamente. “É uma possibilidade, mas vamos aguardar de fato essa necessidade no ano que vem”, afirmou Funchal.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.