Descrição de chapéu inflação juros

Inflação de longo prazo está controlada, diz presidente do BC

Campos Neto admitiu alta recente, mas afirmou que expectativa para 2021 ainda está abaixo da meta

Brasília

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, admitiu a alta recente da inflação, mas afirmou que as expectativas para 2021 ainda estão abaixo da meta perseguida pela autoridade monetária.

"Precisamos entender que a nossa ferramenta [Selic] não tem efeito imediato, então não podemos olhar para inflação de curto prazo. Quando vemos a parte longa da inflação, mexeu pouco", disse em evento promovido pelo Sicoob, nesta quarta-feira (25).

Segundo ele, a alta recente nos preços se deve à depreciação do Real, ao aumento da alimentação em domicílio por causa do distanciamento social e ao pagamento do auxílio emergencial.

"Esses componentes têm esvaziamento ao longo do tempo, vamos discutir esses elementos da parte estrutural [da inflação] na próxima reunião do Copom [Comitê de Política Monetária]", adiantou.

A prévia da inflação teve a maior variação para um mês de novembro desde 2015, de 0,81%, puxada pela alta no preço dos alimentos, informou nesta terça-feira (24) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Para 2021, no entanto, as expectativas de inflação estão abaixo da meta fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), de 3,75% com tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo ou para cima.

A inflação pode chegar ao valor máximo de 5,25% para que a meta não seja descumprida.

Alguns economistas questionam se a alta de preços é realmente temporária e projetam alta de juros antes do previsto.

De acordo com o boletim Focus, no qual o BC divulga as estimativas do mercado, nesta semana os economistas consultados esperam que o índice termine 2021 em 3,40%. Há quatro semanas, os analistas projetavam 3,10%.

O Copom decidirá em 8 e 9 de dezembro os rumos da taxa básica de juros, que está em 2% ao ano, menor patamar da história. Na última reunião, o comitê indicou que a Selic deve permanecer no mesmo patamar.

A taxa básica (Selic) é um dos instrumentos usados pelo BC para controlar a inflação. Quando o índice está alto, a autoridade monetária sobe os juros com o objetivo de reduzir o estímulo na atividade econômica, o que diminui o consumo e equilibra os preços.

Caso contrário, o BC pode reduzir juros para estimular a economia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.