Descrição de chapéu Itaú Santander

Brasil vai perder investimentos se não reagir à degradação ambiental, diz presidente do Itaú

Executivo afirma ser cobrado em círculos internacionais

Brasília

O presidente do Itaú, Candido Bracher, disse nesta segunda-feira (7) que o Brasil pode sofrer com a falta de investimentos se não houver uma redação do país contra a degradação ambiental.

A fala foi feita durante a abertura da Conferência Amazônia, evento realizado pelo Itaú em parceria com o Bradesco e o Santander para discutir questões ambientais e articular doações para a preservação da floresta.

“Eu costumo dizer o seguinte: eu me sinto quase humilhado de ter que me lembrar das consequências concretas, de que vai faltar investimento, de que vão cortar o crédito”, afirmou Bracher. “Os investimentos no país escassearão, haverá uma discricionariedade contra o Brasil na seleção de investimentos”, afirmou.

Fachada da agência do Itaú
Agência do Itaú, banco que tem articulado o setor financeiro por doações para a Amazônia - Zanone Fraissat - 29.out.2020/ Folhapress

Os empresários brasileiros se uniram e se articularam em torno de um agenda em pró-preservação, na tentativa de deter represálias internacionais contra o aumento do desmatamento e a atuação do governo brasileiro, considerada insuficiente na área ambiental especialmente por fundos estrangeiros.

Em junho, um grupo de 29 investidores globais assinou uma carta aberta ao Brasil expressando preocupação sobre a política ambiental no país e os riscos contra direitos humanos. Juntos, eles têm US$ 3,7 trilhões em ativos administrados ao redor do mundo.

“Somos lembrados dessa responsabilidade [com a Amazônia] sistematicamente em círculos internacionais que nós frequentamos. Nossos bancos têm muitos investidores estrangeiros. Cada vez mais sentimos uma expectativa de que o Brasil reaja à situação da degradação ambiental que o país vive”, afirmou Bracher nesta segunda.

Bracher disse ainda que o Itaú tem feito um trabalho na Amazônia para desestimular o desmatamento. “Temos atuado também na regularização fundiária, ajudando na infraestrutura da região. No futuro, queremos criar um mercado de carbono.”

Segundo o executivo, a falta de títulos de terra para pequenos produtores é um "problema gravíssimo, porque os impede de ter acesso a uma série de suportes oficiais".

Bracher também explicou as razões que levaram os bancos Itaú, Bradesco e Santander, que são concorrentes, a se unirem na formulação de uma agenda ambiental.

"Desenvolvemos um sentimento de respeito quando surgiu a pandemia. Vimos que o objetivo era muito mais importante do que o ganho mercadológico e de imagem que cada banco teria", afirma. "Se três competidores tão ferrenhos, como nós, nos unimos é possível a sociedade inteira se unir", complementa.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, disse que a Amazônia tem valor incomensurável em capacidade de armazenamento de carbono e que o país não aproveita todo esse potencial.

“Estamos fazendo business para desenvolvimento da região. Não é caridade. Se as pessoas puderem ter financiamentos dos bancos, não vão precisar entrar na floresta para derrubar árvores”, afirma.

Sérgio Rial, presidente do Santander, afirmou que se empresa não for diversa e responsável social e economicamente irá deixar de existir, pois os clientes não irão mais tolerar um comportamento alheio à preservação.

O executivo disse que o mundo está saindo da era industrial e migrando para um outro estágio de desenvolvimento do planeta, que é a economia de baixo carbono. “É uma tendência irreversível”, afirmou.

O presidente do Santander disse ainda ainda que o desperdício que há na cadeia alimentar brasileira é "brutal". "O Brasil tem basicamente 170 milhões de hectares hoje utilizados para a pecuária extensiva dos quais aproximadamente 60% são de baixa produtividade".

A Conferência Amazônia faz parte de um movimento de mobilização do setor privado em favor de uma agenda ambiental mais ampla. Itaú Unibanco, Bradesco e Santander se articularam para cobrar do governo respostas para deter o aumento do desmatamento, realidade que os prejudica diante de investidores estrangeiros.

Em julho, os presidentes dos bancos fizeram uma reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão e outros representantes do governo para discutir uma ação conjunta em defesa da Amazônia.

Uma carta de intenções foi apresentada ao final do evento, e as instituições financeiras se comprometeram a apoiar iniciativas voltadas ao fomento da bioeconomia na região, à expansão da infraestrutura básica para a população local e ao incremento do mercado de títulos financeiros verdes.

Também em julho, um grupo de empresas de grande porte, de diferentes setores, se articulou em uma carta aberta para manifestar preocupação com a deterioração da imagem do Brasil no exterior em relação ao meio ambiente.

O desmatamento na Amazônia cresceu cerca de 9,5% de agosto de 2019 a julho de 2020 em comparação com o período anterior, de 2018 a 2019. No total, foram derrubados 11.088 km² de floresta nesse intervalo de tempo apesar da presença do Exército na floresta, sob a Operação Verde Brasil 2.

Segundo os dados consolidados do Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), a área desmatada é a maior da última década.

O aumento do desmatamento tem sido um dos entraves ao avanço do acordo entre Mercosul e União Europeia. Países como França e Áustria pressionam por compromissos ambientais mais rígidos para garantir que a produção não tenha origem em cadeias associadas à devastação de biomas.

Segundo informações da RFI, na terça-feira (1), o governo da França anunciou que irá reduzir a dependência de soja importada, principalmente do Brasil, por meio de um programa de desenvolvimento agrário.

Na quarta-feira (2), a ONG britânica Global Witness​ apontou que JBS, Marfrig e Minerva, os maiores frigoríficos brasileiros e entre os principais do mundo, têm comprado gado ao menos nos últimos três anos de fazendas com desmatamento ilegal no Pará. Os frigoríficos negam irregularidades.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.