Descrição de chapéu Cifras & Livros

Martin Wolf seleciona o melhor dos livros de economia para o fim de ano

História das bolhas, desigualdade e relação entre globalização e democracia estão entre as indicações do colunista do Financial Times

Martin Wolf, 74, é comentarista-chefe de economia do jornal britânico Financial Times. Em 2000, ele recebeu o título de CBE (Commander of the British Empire, cavaleiro comandante da ordem do Império Britânico) por serviços prestados.

Ele selecionou o que considera o melhor dos livros de economia para o fim de ano. História das bolhas, desigualdade e relação entre globalização e democracia estão entre as indicações do colunista do Financial Times. Veja os livros abaixo:

*

Less is More: How Degrowth will Save the World [Menos é mais: como o decrescimento vai salvar o mundo]

Jason Hickel, Heinemann, R$ 108,44 (ebook), 336 págs.

0
Livro Less is More , How Degrowth will Save the World, de Jason Hickel. - Reprodução

O antropólogo econômico diz que só podemos salvar a humanidade e o planeta abandonando o capitalismo, a ideia de crescimento econômico e as noções de domínio da humanidade sobre a natureza que datam de milhares de anos. Para mim, esse programa não é uma forma plausível nem eficaz de responder à crise climática. Mas foi instrutivo ler uma exposição tão lúcida desse ponto de vista cada vez mais amplamente compartilhado.

Democracy and Globalization: Anger, Fear, and Hope [Democracia e globalização: raiva, medo e esperança]

Josep M. Colomer e Ashley L. Beale, Routledge, R$ 230,58 (ebook), 172 págs.

0
Livro Democracy and Globalization Anger, Fear, and Hope - Reprodução

Este estudo da relação entre democracia e globalização argumenta que, como a globalização perturba a democracia, precisamos “globalizar a democracia”. Assim, os autores defendem um governo mais representativo, eficaz e responsável via novas combinações de democracia direta, governo representativo e governo de especialistas. É uma direção idealista, mas lógica, para a humanidade seguir. Mas seguirá?

The Costs of Inequality in Latin America: Lessons and Warnings for the Rest of the World [Os custos da desigualdade na América Latina: lições e advertências para o resto do mundo]

Diego Sánchez-Ancochea, IB Tauris, R$ 138,25 (ebook), 216 págs.

0
Livro The Costs of Inequality in Latin America: Lessons and Warnings for the Rest of the World - Reprodução

Com o aumento da desigualdade nas democracias de alta renda, suas políticas tornaram-se cada vez mais semelhantes às da América Latina, a região mais desigual. A alta desigualdade fortalece o poder econômico e político. Isso causa reações populistas. Os paralelos com as democracias contemporâneas de alta renda são perturbadores.

2030: How Today’s Biggest Trends Will Collide and Reshape The Future of Everything [2030: Como as maiores tendências de hoje irão colidir e remodelar o futuro de tudo]

Mauro F. Guillén, Flint Books, R$ 104,67 (ebook), 288 págs.

0
Livro 2030: How Today’s Biggest Trends Will Collide and Reshape The Future of Everything, de Mauro F Guillén. - Reprodução

Não sabemos como será o mundo em 2030. Mas conhecemos as tendências subjacentes que irão moldá-lo. Este livro instigante joga luz sobre o mais importante: mudanças demográficas, especialmente o “baby boom” africano; o surgimento de uma nova classe média global; “mais telefones celulares do que banheiros”; a economia do compartilhamento.

The Great Demographic Reversal: Aging Societies, Waning Inequality, and an Inflation Revival [A grande reversão demográfica: sociedades envelhecidas, redução da desigualdade e renascimento da inflação]

Charles Goodhart e Manoj Pradhan, Palgrave Macmillan, R$ 153,17 (ebook), 260 págs.

0
Livro The Great Demographic Reversal: Ageing Societies, Waning Inequality, and an Inflation Revival, de Charles Goodhar - Reprodução

Os autores dizem que a inflação e os juros baixos e a alta da desigualdade nas últimas décadas se deveram à entrada da China na economia mundial e ao peso da meiaidade nos países de alta renda. Agora, a desglobalização e o envelhecimento vão geram mais inflação, juros mais altos e menor desigualdade.

Boom and Bust: A Global History of Financial Bubbles [Sucesso e explosão: uma história global das bolhas financeiras]

William Quinn e John D. Turner, Cambridge, R$ 102,60 (ebook), 296 págs.

0
Livro Boom and Bust:: A Global History of Financial Bubbles, de William Quinn and John D Turner - Reprodução

Explica as bolhas pelo “triângulo da bolha”. Seus três lados consistem em oxigênio, que é a “comercialização” dos ativos; combustível, que é “dinheiro e crédito”, e calor, que é “especulação”. Essa combinação se repete sempre, assim como as bolhas. Assim como os incêndios, as manias financeiras e as quebras são destrutivas, mas também podem ser úteis, eliminando lenha morta.

Windows of Opportunity: How Nations Create Wealth [Janelas de oportunidade: como as nações criam riqueza]

David Sainsbury, Profile, R$ 97,13 (ebook), 288 págs.

0
Livro Windows of Opportunity How Nations Create Wealth, de David Sainsbury - Reprodução

Qual é a base da prosperidade? Inovação, afirma Sainsbury, empresário e ex-ministro britânico. A inovação não é um maná do céu. Os governos de países bem-sucedidos criam sistemas nacionais de educação e treinamento e, acima de tudo, de inovação. Os governos precisam apoiar a ciência e a formação técnica, bem como as principais indústrias e tecnologias, para que suas economias prosperem.

Money For Nothing: The South Sea Bubble and the Invention of Modern Capitalism [Dinheiro para nada: a Bolha do Mar do Sul e a invenção do capitalismo moderno]

Thomas Levenson, Head of Zeus, R$ 57,29 (ebook), 480 págs.

0
Livro Money For Nothing: The South Sea Bubble and the Invention of Modern Capitalism, de Thomas Levenson - Reprodução

Um relato sobre a bolha seminal do capitalismo: a Bolha do Mar do Sul, há 300 anos. Como aconteceu tantas vezes depois, a inovação financeira gerou mania, pânico e destruição. A grande inovação na época foi uma parente próxima da securitização que originou a crise de 2008. Algumas coisas, infelizmente, nunca mudam.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.