Descrição de chapéu petrobras

Importador de combustível diz que Petrobras tem preços 'predatórios' e vai ao Cade

Associação diz que há 'fortes indícios' de que o governo está interferindo nos preços petroleira

São Paulo | Reuters

A Abicom (Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis) vai protocolar nesta sexta-feira (8) novo ofício no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) alertando sobre o que considera práticas de preços de combustíveis "predatórias" pela Petrobras, disse o presidente-executivo da entidade à agência de notícias Reuters, Sergio Araujo.

Segundo ele, há "fortes indícios" de que o governo está interferindo nos preços da Petrobras, "com prejuízos para importadores e acionistas".

Logo da Petrobras em escritório no Rio de Janeiro - Sergio Moraes/Reuters

Para Araujo, a situação está "insuportável" para importadores de combustíveis, pois há defasagem de preços de diesel e gasolina da Petrobras ante o mercado internacional.

De acordo com dados da Abicom, a defasagem média do preço do diesel está em R$ 0,22 por litro, enquanto a da gasolina se encontra em R$ 0,31.

Araujo disse que o novo ofício a ser protocolado no Cade trará mais informações sobre as práticas da Petrobras.

A Reuters contatou a Petrobras, mas não foi possível obter uma resposta imediata.

A queixa da Abicom lembra tempos em que a Petrobras acumulava prejuízos bilionários devido a controle de preços de combustíveis, para evitar uma pressão inflacionária, especialmente durante o último governo petista.

Na oportunidade, a companhia não repassava altas de preços internacionais, em um mercado que era crescente.

Nos último anos, entretanto, a Petrobras passou a realizar reajustes de preços mais frequentes.

A gestão atual da Petrobras defende que seus preços seguem a chamada paridade de importação, impactada por fatores como as cotações internacionais do petróleo e o câmbio.

A situação de preços, em meio a um mercado de combustíveis mais fraco por conta da pandemia, teria levado uma importante trading internacional, a Mercuria, a suspender investimentos previstos para expandir um terminal de armazenamento de combustíveis no porto de Paranaguá (PR), disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

Atualmente, segundo informações no site da Mercuria, a empresa tem 53 mil metros cúbicos de capacidade em terminal chamado Terin, em Paranaguá.

As fontes, que falaram na condição de anonimato, não deram detalhes sobre como seria a expansão.

Procurada, a Mercuria afirmou que não iria comentar a informação.

"Todas as importadoras que investiram no passado acreditaram que a Petrobras permitiria o desenvolvimento desse mercado", disse uma das fontes, ao se queixar da defasagem de preços.

Araujo, da Abicom, não quis comentar a questão da Mercuria, mas confirmou que a empresa não mais integra a associação.

O setor de combustíveis no Brasil vem sofrendo impactos da pandemia de Covid-19, que reduziu o consumo.

As importações de derivados de petróleo pelo Brasil acumularam queda de cerca de 19% de janeiro a novembro, segundo dados mais recentes da reguladora ANP, que sinalizam que as compras de combustíveis pelo país podem ser as menores em cerca de cinco anos, em meio a impactos da pandemia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.