Como a Toyota está superando a falta de chips

Plano de continuidade de negócios da montadora exige que fornecedores estoquem de dois a seis meses em semicondutores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Reuters

A Toyota pode ter sido pioneira na estratégia de produção just-in-time, mas quando se trata de chips, sua decisão de estocar o que se tornaram componentes-chave para carros remonta a uma década atrás, antes do desastre de Fukushima.

Depois que a catástrofe cortou as cadeias de abastecimento da Toyota em 2011, a maior montadora do mundo percebeu que o tempo de espera para semicondutores era muito longo para lidar com choques devastadores, como desastres naturais.

É por isso que a Toyota apresentou um plano de continuidade de negócios que exige que fornecedores estoquem de dois a seis meses em chips para a montadora japonesa, dependendo do tempo que leva do pedido à entrega, disseram quatro fontes.

Um homem passa na frente do logo da Toyota, no Japão; Plano de continuidade de negócios da Toyota exige que fornecedores estoquem de dois a seis meses em chips para a montadora japonesa
Plano de continuidade de negócios da Toyota exige que fornecedores estoquem de dois a seis meses em chips para a montadora japonesa - Edgar Su - 24.out.2019/Reuters

E é por isso que a Toyota até agora não foi afetada pela escassez global de semicondutores após um aumento na demanda por produtos elétricos devido ao bloqueio do coronavírus que forçou muitas rivais a suspenderem a produção, disseram as fontes.

"A Toyota foi, até onde sabemos, a única montadora devidamente equipada para lidar com a escassez de chips", disse uma pessoa familiarizada com a Harman International, que fabrica sistemas de áudio automotivo, monitores e tecnologia de assistência ao motorista.

A Toyota surpreendeu o mercado no mês passado, quando disse que não seria afetada fortemente pela escassez de chips, enquanto Volkswagen, General Motors, Ford, Honda e Stellantis, entre outros, foram forçados a desacelerar ou suspender a produção.

Enquanto isso, a Toyota aumentou sua produção de veículos para o ano fiscal encerrado neste mês e aumentou sua previsão de ganhos para o ano inteiro em 54%.

Embora a Harman não fabrique chips, por causa de seu acordo de continuidade com a Toyota, ela foi obrigada a priorizar a montadora e garantir que ela tivesse semicondutores suficientes para manter o fornecimento de seus sistemas digitais por quatro meses ou mais, disse a fonte.

Os chips escassos agora controlam uma série de funções, como frenagem, aceleração, direção, ignição, combustão, medidores de pressão de pneus e sensores de chuva.

A Toyota mudou a forma como compra microchips após o terremoto de 2011, que causou um tsunami que matou mais de 22 mil pessoas e colapsou a usina nuclear de Fukushima.

Após o terremoto, a Toyota estimou que sua aquisição de mais de 1.200 peças e materiais poderia ser afetada e elaborou uma lista de 500 itens prioritários que precisariam de fornecimento seguro no futuro, incluindo semicondutores feitos pelo fornecedor de chips japonês Renesas.

As repercussões do desastre foram tão graves que a Toyota levou seis meses para colocar a produção fora do Japão de volta aos níveis normais.

Foi um grande choque porque um fluxo uniforme de componentes dos fornecedores às fábricas e linhas de montagem —bem como estoques enxutos— foram fundamentais para seu surgimento como líder do setor em termos de eficiência e qualidade.

Num momento em que o risco da cadeia de suprimentos está agora na frente e no centro de quase todos os setores, a mudança mostra como a Toyota estava pronta para jogar fora seu próprio livro de regras quando se tratasse de semicondutores.

Os estoques de chips MCU são mantidos para a Toyota por fornecedores de peças como Denso, da qual é parcialmente dona, fabricantes de chips como Renesas e Taiwan Semiconductor e comerciantes de chips.

Uma das fontes envolvidas no fornecimento de semicondutores disse que a Toyota e suas afiliadas se tornaram "mais avessas a riscos e sensíveis" ao impacto das mudanças climáticas. Mas os desastres naturais e não são a única ameaça no horizonte.

As montadoras temem que haverá mais interrupções no fornecimento de chips por causa da crescente demanda, à medida que os carros se tornam mais digitais e elétricos, bem como a feroz rivalidade por chips de fabricantes de smartphones a computadores, aeronaves e robôs industriais.

As fontes disseram que a Toyota tem outra vantagem sobre rivais quando se trata de chips, graças à sua política de garantir que entende toda a tecnologia usada em seus carros, em vez de depender de fornecedores.

Houve uma explosão no uso de semicondutores e tecnologias digitais pelas montadoras neste século, graças ao surgimento de veículos híbridos e totalmente elétricos, bem como funções de direção autônoma e carros conectados.

Essas inovações exigem ainda mais poder de computação e usam em parte uma nova categoria de semicondutores que, grosso modo, combina várias CPUs em uma placa.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.