Descrição de chapéu indústria

Indústria teme novo repique no frete após encalhe de navio no Canal de Suez

Preços do petróleo também devem seguir pressionados, mas impacto depende do tempo de paralisação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

A indústria brasileira teme novo repique no frete marítimo internacional após o encalhe de um navio no Canal de Suez, uma das principais rotas do comércio global. A suspensão da navegação no canal também pressiona a cotação do petróleo, com possíveis impactos nos preços dos combustíveis.

O encalhe do porta-contêineres Ever Given, um dos maiores navios do planeta, suspendeu desde a madrugada desta quarta (24) o tráfego pelo canal, por onde passam cerca de 50 navios por dia. O acidente deixou uma fila de embarcações de carga paradas à espera da desobstrução do canal.

Ocorre em meio a um cenário de caos no transporte marítimo global, que foi desorganizado pela paralisação nos primeiros meses de pandemia e ainda não conseguiu ajustar os fluxos. O desequilíbrio teve grande impacto no custo para transportar cargas.

Em janeiro, o frete da China para o Brasil chegou a bater a casa dos US$ 9.000 (cerca de R$ 50.400, pela cotação atual), mais de quatro vezes a média dos últimos anos. Os valores recuaram nas últimas semanas, para a casa dos US$ 6.000 (R$ 33.600), mas podem voltar a subir, se a crise no canal perdurar.

O impacto ao Brasil é indireto, já que o comércio exterior nacional praticamente não usa o canal. Segundo o presidente da AEB (Associação Brasileira de Comércio Exterior), José Augusto de Castro, se daria sob a forma de novo aumento nos custos de transporte.

"Encalhando, esse navio encalha o comércio mundial como um todo", afirma, frisando, porém, que a evolução do cenário depende do tempo necessário para a liberação do fluxo no canal, que só ocorrerá após o desencalhe da embarcação.

"Ainda não dá para avaliar, porque tudo vai depender do tempo para desencalhar o navio, mas é preocupação a mais nesse momento, porque os custos do transporte marítimo já estão muito elevados", ponderou.

Para Castro, a eventual necessidade de desvios de navios que já estão em curso é outro fator que pressiona os fretes. A alternativa é dar a volta na África, ampliando em até 7.000 quilômetros o trajeto entre a Ásia e a Europa.

Com os navios gastando mais tempo para chegar a seus destinos, a tendência é que o desarranjo no transporte marítimo aumente, já que o problema atual foi iniciado justamente pela ruptura do fluxo de cargas durante o primeiro semestre de 2020.

Com a paralisação no início da pandemia, rotas marítimas foram interrompidas e navios e contêineres ficaram espalhados pelo mundo. Após a reabertura, o esforço de rearrumação foi atropelado pelo crescimento da demanda por mercadorias, remédios e equipamentos hospitalares.

Também frisando que é cedo para avaliações, o presidente da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil), Fernando Pimentel, concorda com o risco de elevação do frete e acrescenta á alta do petróleo entre os motivos de preocupação do setor.

"Se afetar o petróleo, afeta o preço das matérias-primas têxteis sintéticas", explicou. Nesta quarta (24), a cotação do petróleo Brent, referência internacional negociada em Londres, chegou a subir mais de 6%. No fim do pregão, fechou em alta de 5,95%, a US$ 64,41 (R$ 360).

O Canal de Suez é a rota de transporte de petróleo do Oriente Médio para a Europa e, por isso, a perspectiva de redução da oferta afetou o Brent, que vinha em tendência de queda diante das dificuldades no processo de vacinação contra a Covid-19 na Europa.

Com a queda recente —e a valorização do real frente ao dólar,— a Petrobras anunciou nesta quarta cortes de cerca de 4% nos preços da gasolina e do diesel em suas refinarias. Foi a segunda redução da gasolina e a primeira do diesel após meses de alta.

O consultor Adriano Pires, diretor do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), avalia que o repique do petróleo nesta quarta é pontual e pode não ter impactos no país. Mas vê possibilidades de nova retomada ao longo do ano caso o processo de vacinação avance no mundo.

"Com o aumento da vacinação o crescimento da economia volta. Acho que esse ano teremos um preço de petróleo médio em torno de US$ 60 (R$ 336) por barril.

Erramos: o texto foi alterado

O canal de Suez tem até 225 metros de largura, e não 225 quilômetros, como constava na versão original da infografia, já corrigida.

 

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.