Japão pede apoio para empresa de semicondutores que teve fábrica destruída por incêndio

A Renesas responde por 30% do mercado global de chips usados em automóveis, cujas montadoras estão parando a produção por escassez de insumos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Reuters

O Japão pediu aos fabricantes de equipamentos que ajudem um de seus maiores fabricantes de chips, Renesas, a restaurar a produção atingida por um incêndio na semana passada e que pode levar vários meses para conseguir trocar máquinas danificadas.

A Renesas responde por 30% do mercado global de chips usados em automóveis, cujas montadoras estão sendo forçadas a reduzir produção por causa de uma escassez de semicondutores agravada pela pandemia de Covid-19.

Ressaltando a gravidade da crise, a Hyundai, até recentemente uma das montadoras menos afetadas devido ao estoque prévio, está colocando freios na produção a partir de abril, publicou o Financial Times nesta quarta-feira (24), citando uma pessoa com conhecimento direto da situação. A Renesas é um das fornecedoras de chips da Hyundai.

Interior da fábrica de chips semicondutores Renesas, em Hitachinaka, no Japão - Kazuhiro Nogi - 10.jun.2011/AFP

Um representante da Hyundai disse que a empresa monitora de perto a situação e otimizará a produção segundo as condições de fornecimento. Um representante do sindicato disse que a montadora tem chips suficientes para seus modelos populares, mas faria menos modelos como o sedã Sonata, que tem vendas menores.

Autoridades japonesas entraram em contato com empresas no país e no exterior para solicitar o fornecimento de peças e maquinário para a Renesas, disse um funcionário do Ministério do Comércio à Reuters nesta quarta.

Em mais um sinal de que os problemas dos chips estão se espalhando, a Intel previu na terça-feira um lucro anual menor do que o esperado, refletindo o que disse ser uma escassez de componentes em toda a indústria.

No início do mês, fontes disseram à Reuters que a Qualcomm enfrentava dificuldades para atender a demanda por chips para smartphones, incluindo os da Samsung.

Além do Japão, Alemanha e Estados Unidos também intensificaram esforços para resolver a escassez de chips.

A Casa Branca tem se reunido com montadoras e fornecedores para identificar pontos de estrangulamento e interagindo com aliados internacionais. Berlim pediu a Taiwan em janeiro para convencer seus fabricantes de chips a aumentarem o fornecimento às montadoras alemãs.

Nesta quarta, a General Motors estendeu os cortes de produção na América do Norte por causa da escassez semicondutores. No Brasil, as montadoras Mercedes-Benz, Volvo, Volkswagen e Scania já anunciaram suspensão das atividades por causa do mesmo problema.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.