Descrição de chapéu Santander

Lucro do Santander bate recorde e atinge mais de R$ 4 bilhões no 1º tri

Resultado representa alta de 4,1% em relação a igual período de 2020

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

​O lucro do Santander Brasil bateu recorde e ficou em R$ 4,012 bilhões no primeiro trimestre deste ano, um avanço de 4,1% em relação a igual período de 2020. Em comparação aos três meses anteriores, quando registrou lucro de R$ 3,958 bilhões, o aumento foi de 1,4%.

O resultado reflete um maior volume de empréstimos feitos pelo banco e uma redução nas reservas para cobrir eventuais calotes, as chamadas provisões. O lucro registrado no trimestre supera o estimado por analistas da Bloomberg, que era de R$ 3,673 bilhões.

O lucro societário do banco ficou em R$ 2,8 bilhões no período, uma queda de 25,4% na mesma base de comparação.

Santander tem lucro recorde no primeiro trimestre deste ano
Santander tem lucro recorde no primeiro trimestre deste ano - Gabriel Bouys - 14.mai.2019/AFP

Segundo o presidente do banco, Sergio Rial, o resultado observado no lucro societário reflete a cisão da participação acionária detida pelo banco em sua empresa de maquininhas, a Getnet. O impacto desse movimento no resultado é de R$ 1 bilhão.

"A cisão foi aprovada no final de março e, agora, esperamos apenas o regulador. Tão logo o Banco Central aprove, entraremos com o pedido [de abertura de capital da Getnet] na CVM [Comissão de Valores Mobiliários]. Ainda continuamos projetando essa listagem para o terceiro trimestre", afirmou.

Segundo Rial, a abertura de capital da Getnet seguirá a mesma estrutura das ações do Santander Brasil, sendo listada na Bolsa brasileira e ofertada nos EUA por meio de ADRs (recibos depositários americanos).

No primeiro trimestre deste ano a carteira de crédito do Santander ficou em R$ 424,8 bilhões, avanço de 12,2% em comparação a igual período de 2020. Os empréstimos voltados para pessoas físicas –maior parte da carteira do banco– totalizaram R$ 178,4 bilhões, alta de 13,4% na mesma comparação.

Na carteira corporativa, os recursos cedidos às grandes empresas atingiram R$ 129,9 bilhões, aumento de 9,2% em relação ao primeiro trimestre de 2020. O crédito para pequenas e médias empresas subiu 28,4% no período, para R$ 55,3 bilhões.

O financiamento ao consumo ficou em R$ 61,1 bilhões, alta de 3,4% na mesma base de comparação.

A carteira de crédito ampliada do banco (que considera outras operações com risco de crédito, como debêntures, letras de crédito, entre outros) ficou em R$ 497,6 bilhões, aumento de 7,4%.

As provisões de crédito do banco, por sua vez, totalizaram R$ 3,2 bilhões no primeiro trimestre deste ano, um recuo de 7,7% em relação ao observado em iguais três meses de 2020 –momento em que a pandemia do coronavírus começava a ganhar força no país.

Em relação ao trimestre imediatamente anterior, as reservas contra calotes subiram 9,7%.

"Existe grandes chances de o crédito demonstrar um crescimento de dois dígitos [neste ano]", afirmou Rial, completando que o foco do banco deve continuar em empréstimos com mais garantias, como imobiliário e consignado.

Em relatório divulgado nesta quarta-feira (28) o banco afirmou que segue fazendo um acompanhamento rigoroso dos indicadores de qualidade do crédito.

Segundo o Santander, as operações de crédito são feitas seguindo a cultura de risco do banco e as boas práticas internacionais, com o objetivo de proteger o capital e garantir a rentabilidade dos negócios.

“Nosso processo de aprovação de crédito, particularmente a aprovação de novos empréstimos e monitoramento de riscos são estruturados de acordo com nossa classificação de clientes e produtos”, afirmou o banco em relatório.

A instituição disse, ainda, que em março deste ano, as carteiras classificadas nos níveis “AA” e “A” –classificações mais altas das notas de crédito que indicam menor risco de calotes– correspondia por 75,7% da carteira total de crédito.

Sobre as provisões de crédito, o presidente do banco afirmou que manterá a provisão adicional feita no ano passado e que não descarta uma possível deterioração do crédito em alguns segmentos ao longo deste ano.

"Uma [deterioração] generalizada eu não vejo, mas será que é possível termos variações negativas de risco em alguns segmentos? Com certeza", disse Rial, sem detalhar quais seriam esses setores.

A captação de clientes do Santander Brasil –incluindo depósitos à vista e à prazo além de debêntures, letras de crédito e outros– somou R$ 446,7 bilhões no primeiro trimestre, avanço de 15,9% em comparação a igual período de 2020.

O índice de inadimplência acima de 90 dias do banco ficou em 2,1% ao final de março, queda de 0,9 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano passado. A porcentagem ficou estável em comparação aos três meses imediatamente anteriores.

A margem financeira, principal receita dos bancos, geradas com operações de crédito, subiu 11,1% no período, para R$ 10,3 bilhões.

As receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias totalizaram R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre, avanço de 8,2% em comparação a iguais meses de 2020.

O Santander encerrou o primeiro trimestre deste ano com 2.119 agências –redução de 140 em relação ao observado de janeiro a março de 2020. No período, o banco também demitiu 2.386 pessoas, fechando os três primeiros meses deste ano com um quadro de funcionários de 44.806 pessoas.

Com o resultado, as ações do banco dispararam na Bolsa de Valores brasileira. Os papéis do banco foram a maior alta do Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, na sessão, com alta de 8,06%.


RAIO-X DO SANTANDER NO 1º TRIMESTRE

Lucro líquido
R$ 4,012 bilhões

Carteira de crédito
R$ 424,8 bilhões

Margem financeira líquida
R$ 10,3 bilhões

ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido)
20,9%

Funcionários
44.806

Agências
2.119

Principais concorrentes
Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Itaú Unibanco

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.