Descrição de chapéu Financial Times

Ranking das 500 empresas que mais crescem nas Américas tem 30 brasileiras; veja lista

Levantamento realizado pelo Financial Times está na segunda edição

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Maxine Kelly
Financial Times

O segundo ranking anual FT Americas oferece um retrato da força das empresas às vésperas da pandemia da Covid-19, e aponta para aquelas que devem demonstrar resiliência para emergir da crise.

Divergências entre os sete países representados na lista —em termos de velocidade de recuperação econômica e de programas de vacinação—, no entanto, ameaçam prejudicar o desempenho das empresas nos próximos meses.

Por exemplo, pelo menos um terço dos habitantes dos Estados Unidos já receberam uma dose da vacina contra o coronavírus, enquanto no Brasil —onde o número de mortes causadas pela doença superou 4.000 por dia este mês—, menos de 10% das pessoas já receberam a primeira dose.

A lista do Financial Times foi compilada com a ajuda da Statista, uma companhia de pesquisa, e classifica empresas de todas as regiões das Américas pelo critério de taxa de crescimento anual composta (CAGR, na sigla em inglês) de suas receitas no período 2016-2019.

De modo semelhante ao que ocorreu no ranking do ano passado, o setor de tecnologia —uma vez mais liderado por uma maioria esmagadora de empresas dos Estados Unidos— respondeu por 28% dos nomes da lista, seguido pelos setores de serviços de apoio e de saúde, ambos com 5,8%.

É importante ressaltar que o ranking não reflete o tamanho da economia de cada país, e sim a força de seu ecossistema de negócios e, acima de tudo, a disposição de suas companhias de crescimento mais rápido de revelar informações financeiras com franqueza.

A Colômbia, por exemplo, sedia 32 companhias que constam do ranking, ante apenas 30 para o Brasil. Em termos gerais, porém, quase 17 em cada 20 empresas do ranking estão nos Estados Unidos e Canadá.

A líder da lista neste ano é uma plataforma de empréstimos americana, derrubando a empresa de crescimento mais rápido do ano passado —a Niantic, produtora do game Pokémon Go— da primeira posição.

Em segundo e terceiro lugares estão, respectivamente, uma empresa que fornece dados analíticos em nuvem para empresas de transporte, em tempo real, e uma empresa canadense que oferece serviços de entrega domiciliar de kits de refeições. As duas primeiras colocadas tiveram um CAGR superior a 530%, ante os números de 2016.

O relatório completo, acompanhado por estudos de caso e análises do ranking deste ano, será publicado online no Financial Times e na edição impressa da publicação em 29 de abril.

Muitas das empresas de crescimento mais rápido tendem a ter capital fechado e a não revelar dados financeiros detalhados, e por isso um ranking como esse jamais pode se afirmar completo. Mas o rigoroso processo de filtragem (a metodologia adotada está definida abaixo da tabela), que também requer que os presidentes-executivos das empresas do ranking confirmem os números submetidos por suas companhias, significa que o ranking é capaz de oferecer aos leitores insights significativos sobre a situação das empresas de capital fechado.

Ethan Brown, presidente da Beyond Meat, empresa em 33º lugar no ranking do Financial Times - Drew Angerer - 3.mai.19/Getty Images/AFP

Metodologia

O ranking FT de Companhias de Crescimento mais Rápido nas Américas, 2020, é uma lista das 500 companhias sediadas nas Américas que tiveram crescimento mais alto em suas receitas declaradas publicamente entre 2016 e 2019.

O ranking foi criado por meio de um procedimento complexo. Embora a busca tenha sido muito extensa, o ranking não afirma ser completo, já que algumas empresas não quiseram divulgar seus números publicamente ou preferiram não participar por outros motivos.

O projeto foi divulgado online e em mídia impressa, permitindo que todas as companhias elegíveis se registrassem por meio dos sites criados pela Statista e pelo Financial Times. Além disso, por meio de pesquisas em bancos de dados empresariais e outras fontes públicas, a Statista identificou dezenas de milhares de companhias das Américas como potenciais candidatas para o ranking FT. Essas companhias foram convidadas a participar da competição por meio de mensagens postais, de email e telefônicas.

O período de inscrição se estendeu de 5 de outubro de 2020 a 31 de janeiro de 2021. Os números de receita submetidos tiveram de ser certificados pelo vice-presidente de finanças, presidente-executivo ou pelo comitê executivo da companhia.

Critérios para inclusão na lista

Para ser incluída na lista das companhias de crescimento mais rápidos nas Américas, uma companhia precisava satisfazer os seguintes critérios:

  • Receita de pelo menos US$ 100 mil gerada em 2016 (ou quantia equivalente de acordo com a cotação cambial média do ano fiscal em questão).
  • Receita de pelo menos US$ 1,5 milhão gerada em 2019 (ou quantia equivalente de acordo com a cotação cambial média do ano fiscal em questão).
  • Ser uma entidade independente (não uma subsidiária ou filial de qualquer espécie).
  • Um crescimento de receita entre 2016 e 2019 que fosse primariamente orgânico (ou seja, “estimulado” internamente).
  • Sede em um de 20 países das Américas. Companhias dos seguintes países eram elegíveis para participar: Argentina, Belize, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Cálculo de taxas de crescimento

O cálculo das taxas de crescimento das empresas foi baseado em números sobre receita submetidos pelas empresas em suas respectivas moedas nacionais. Para melhor comparação no ranking, os números de receita foram convertidos a dólares americanos. A taxa de câmbio média para o ano financeiro indicado pela companhia foi utilizada para esse propósito.

A taxa composta anual de crescimento foi calculada da seguinte maneira:
((receita 2019 ÷ receita 2016 ^ (1/3)) – 1 = CAGR

O crescimento absoluto entre 2016 e 2019 foi calculado da seguinte maneira:
(receita 2019 ÷ receita 2016) – 1 = taxa de crescimento

Avaliação e controle de qualidade

Todas as informações reportadas pelas companhias foram processadas e verificadas pela Statista. Os dados ausentes (número de empregados, dados de endereço etc.) foram pesquisados em detalhe. As companhias que não satisfaziam plenamente os critérios de inclusão foram desconsideradas.

Além das companhias que atenderam a convites para participar, a Statista incluiu algumas companhias conhecidas por seu crescimento notável (26, no total). Informações financeiras foram recolhidas por meio de pesquisas em fontes oficiais, tais como apresentações sobre resultados disponíveis publicamente, sites de relacionamento com investidores e balanços anuais.

O CAGR mínimo requerido para inclusão no ranking deste ano foi de 18,2%.

Traduzido originalmente do inglês por Paulo Migliacci

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.