Descrição de chapéu mercado de trabalho

Falta de trabalho e estudo afeta mais mulheres, negros e chefes de família

31% das jovens são 'nem-nem'; fatia é de 20% para homens

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Porto Alegre

A falta de estudo e de trabalho que acomete jovens é maior entre mulheres, negros, chefes de família e pessoas sem instrução, segundo estudo publicado nesta segunda-feira (17) pelo centro de políticas sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV Social).

A pandemia de coronavírus fez crescer no país a proporção daqueles que não estudam nem trabalham, os chamados “nem-nem”. Conforme o levantamento, 25,52% dos jovens com idades entre 15 e 29 anos estavam afastados do mercado de trabalho e dos estudos no quarto trimestre de 2020. Ao final de 2019, a porcentagem era de 23,66%.

Ao longo do ano passado, no segundo trimestre, o percentual chegou a ser ainda maior, de 29,33%, recorde da série histórica iniciada em 2012.

O recorte por sexo mostra que a taxa entre as mulheres foi superior à média geral. No quarto trimestre de 2020, 31,29% das jovens na faixa 15 a 29 anos eram consideradas “nem-nem”. Entre os homens, a taxa atingiu 19,77%.

“O risco de ser jovem 'nem-nem' afeta desproporcionalmente as mulheres, desigualmente responsabilizadas por trabalhos domésticos, especialmente em domicílios com crianças”, aponta o estudo.

Proporção daqueles que não estudam e nem trabalham cresceu na pandemia - Gabriel Cabral/Folhapress

Pretos (29,09%) e pardos (28,41%) também registraram percentual acima da média ao final de 2020. Entre os brancos, a porcentagem foi de 21,26%.

Quando a variável é o nível escolar, o grupo com maior proporção de “nem-nem” é aquele sem instrução: 66,81%.

“O dado chama atenção porque tem uma armadilha de pobreza educacional. O jovem que estava fora do sistema de educação não conseguiu entrar. Essa dificuldade inibe o sucesso no mercado de trabalho”, avalia o diretor da FGV Social, Marcelo Neri, economista responsável pela pesquisa.

A ausência de estudos e ocupação profissional também foi maior entre os jovens chefes de família (27,39%). Entre os filhos, o percentual ficou abaixo da média geral (22,73%).

“Existe um conjunto de jovens à margem do que a sociedade deveria fazer, que é estudar ou trabalhar”, indica Neri.

Para o pesquisador, a pandemia pode gerar uma espécie de “efeito-cicatriz”. Ou seja, a crise sanitária e econômica ameaça afetar o desenvolvimento e a ascensão social dos jovens.

“A juventude é uma fase para a ascensão trabalhista. Ter uma crise neste momento pode gerar consequências graves”, afirma. “É preciso pensar em ações de inclusão digital para os jovens. São medidas factíveis."

No recorte por regiões, o Nordeste tem o maior percentual de “nem-nem”: 32%. A porcentagem também é mais elevada entre aqueles que vivem nas periferias das metrópoles brasileiras (27,41%).

O estudo do FGV Social frisa que a pandemia causou fortes impactos no mercado de trabalho. O percentual de desocupação na faixa de 15 a 29 anos subiu de 49,37% em 2019 para 56,34% em 2020.

Por outro lado, a pesquisa sinaliza queda na taxa de evasão escolar, resultado considerado surpreendente por Neri. O indicador atingiu o nível mais baixo da série no quarto trimestre de 2020: 57,95%.

Em igual período de 2019, estava em 62,2%.

No entanto, o estudo pondera que a “combinação entre falta de oportunidades de inserção trabalhista e menor cobrança escolar (presença e aprovação automáticas)” pode explicar o recuo na evasão. O levantamento usa microdados da pesquisa Pnad Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O Ministério da Economia cogita a criação de um programa focado na inserção dos chamados “nem-nem” no mercado de trabalho, mas ainda não foram apresentados detalhes. A ideia é compartilhar com o empregador o custo dos salários, de até R$ 600.​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.