Presidente do BC é vacinado por ministro da Saúde em ação de incentivo à imunização

Além de Campos Neto, Queiroga vacinou ministro das Relações Exteriores e embaixadores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, vacinou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em ação de incentivo à vacinação divulgada pelo site da pasta. Carlos França, ministro das Relações Exteriores, e os embaixadores Miguel da Costa e Silva e Achilles Zaluar foram vacinados na mesma ação.

Segundo o site, Queiroga afirmou que estavam ali para levar "esperança para a população do Brasil, seguindo a determinação do presidente Jair Bolsonaro que quer que nós trabalhemos de maneira integrada".

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, vacina o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto - Reprodução/Twitter

Repetindo o que os aliados de Jair Bolsonaro (sem partido) vêm dizendo desde o início de março, quando houve uma mudança de discurso do presidente em relação às vacinas, o texto ressalta falas dos presentes sobre a importância da imunização para a retomada na economia.

"É importante vacinar para poder voltar todo mundo ao trabalho, a economia crescer e gerar empregos", disse Campos Neto, de acordo com a nota. Queiroga divulgou a ação em suas redes sociais.

Na última semana, o presidente e o ministro tiveram falas desencontradas.

Na sexta-feira (11), após pedido de Bolsonaro, o ministro da Saúde disse que o governo federal realizará estudos para flexibilizar o uso de máscaras por vacinados contra a Covid-19 e recuperados da doença.

No dia anterior, Queiroga havia afirmado que queria o não uso da máscara o mais rápido possível, mas que para isso "precisamos vacinar a população brasileira e avançar".

Também na quinta-feira (10), em sua live semanal, Bolsonaro disse que não podemos "viver numa opressão a vida toda sobre isso daí".

"É o que eu falei para o Queiroga agora. Eu não impus nada para ele, né? Se bem que eu tenho que também dar minhas peruadas ali, no bom sentido. É possível a Saúde apresentar um estudo da desobrigatoridade da máscara para quem já foi vacinado ou para quem já foi contaminado e curado, poxa? Ele falou 'é possível'. É possível, vamos fazer isso. Vamos ficar refém de máscara até quando?", indagou na transmissão ao vivo.

Em abril, durante reunião do Conselho de Saúde Suplementar, o ministro da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, afirmou que tomou a vacina escondido. Também estavam presentes Queiroga e Paulo Guedes (Economia). Eles não sabiam que a reunião estava sendo transmitida ao vivo pela internet.

"Não ​tenho vergonha, não. Eu tomei e vou ser sincero, porque, porra, eu, como qualquer ser humano, eu quero viver. E se a ciência e a medicina estão dizendo que é a vacina, né, Guedes, quem sou eu para me contrapor?", disse Ramos.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.