Jovem Pan negocia espaço em canal aberto de TV

Grupo de rádio ocuparia grade do canal 32, que já foi da MTV Brasil

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O Grupo Jovem Pan está prestes a fechar um acordo com os irmãos Rodrigo e Paulo Garcia, donos do grupo Kalunga e do canal 32, de sinal aberto, conhecido atualmente como TV Loading, para ocupar a grade de programação da emissora. O canal é o mesmo que pertenceu ao Grupo Abril até 2013, como MTV Brasil.

Desde o encerramento das operações do canal 32 como MTV, a emissora, batizada como Ideal TV, uma marca remanescente do Grupo Abril, passou a veicular programação de vendas e de cunho religioso.

Como as igrejas vêm reduzindo drasticamente seus investimentos na compra de horários de TV, a Ideal TV buscou novas soluções no final de 2020, quando passou a se chamar TV Loading, com parcerias para exibir eventos esportivos, séries, filmes e animês, um modelo que se logo se mostrou insustentável.

À Folha o presidente e sócio-proprietário da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, 65, disse que a chegada do grupo ao canal é fruto de uma joint venture. “É uma parceria: eles entram com o espaço e a Jovem Pan entra com conteúdo, não tem nada a ver com o governo”, afirmou.

Tutinha apresenta novos estúdios da Panflix
O presidente e sócio-proprietário da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, - Divulgação

As duas empresas discutem no momento questões tributárias e outros pontos do contrato, ainda não assinado. A concessão da emissora, que poderá vir a se chamar de fato TV Jovem Pan, passou por vários entraves desde 2013, mas permaneceu no nome da Abril até 2015, com pendências que duraram até 2018.

Presente na TV paga, na internet e no rádio (por meio de uma parceria com a Transamérica FM), a CNN Brasil também teria sido procurada pela TV Loading para uma possível associação. O grupo, no entanto, não se manifestou. No ano passado, o canal tentou expandir sua marca para a TV aberta, por meio de seu ex-presidente-executivo, Douglas Tavolaro, mas o foco era uma rede nacional. Houve tentativas de acerto com SBT e RedeTV!, mas as conversas não foram adiante.

Caso o negócio seja fechado, Tutinha avalia que a programação da Pan poderá estrear na TV já entre agosto e setembro. “Eu já tenho várias produções no ar pela Panflix [plataforma de streaming da marca], mas estou trabalhando para aumentar o cast e o volume de produção”, afirmou.

Mesmo que o acordo vingue, a Pan não ocupará o edifício que foi da TV Tupi e da MTV, sede da TV Loading, no bairro do Sumaré, zona oeste de São Paulo. Toda a produção segue concentrada na sede da Pan, que hoje ocupa cinco andares de um edifício na avenida Paulista.

Emílio Surita no Pânico
Emílio Surita, apresentador da rádio Jovem Pan - Reprodução Instagram

No negócio, Tutinha também se responsabiliza pela venda publicitária do conteúdo e vem ampliando seu departamento comercial para isso.

“Estamos muito em evidência no jornalismo e fomos procurados por mais de uma TV para aproveitar o conteúdo que temos produzido para a Panflix. A ideia é entregar 24 horas diárias de produção, com jornalismo e esporte.”

Não está nos seus planos disputar a concessão do espaço, mas admite que se a coisa for bem, poderá até pensar em comprar o canal dos irmãos Garcia, no futuro. Tutinha nega que o ministro das Comunicações, Fábio Faria, tenha participado das negociações, uma associação feita à linha editorial da emissora, acusada de ser aliada do governo Bolsonaro. “Isso não passa por governo, não tem nada a ver, inventam muita coisa, é tudo mentira”, disse.

A Jovem Pan já foi proprietária de canal de TV, no número 16, em 1991, mas o negócio não foi adiante devido a um desentendimento entre Antonio Augusto Amaral de Carvalho, 90, o Tuta, pai de Tutinha, com seu sócio, João Carlos Di Gênio, que acabou ficando com a emissora.

Na época, a TV Jovem Pan montou sua sede com equipamentos de última geração no espaço onde hoje funciona a Record, na Barra Funda, que comprou o imóvel pronto para suas instalações.

Curiosamente, a Record foi fundada pela mesma família da Pan: foi o avô de Tutinha e pai de Tuta, Paulo Machado de Carvalho, quem fundou a emissora, em 1953, vendida ao bispo Edir Macedo em 1990.​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.